O desafio do tratamento de um dependente químico

As pessoas são subjetivas, ou seja, cada um, é cada um, porém, o tratamento para dependência química em grupo segue uma metodologia coletiva, isto é, um tratamento igual para todos.
Alguns parâmetros precisam ser considerados antes de se questionar o tratamento, que são: as características da doença e o propósito de quem procura um tratamento.
Características da doença:
É preciso levar em consideração que a doença da dependência química é bio-psico-social. Isto significa dizer, que ela é ao mesmo tempo uma doença que provoca disfunções orgânicas, psicológicas e tem também consequências sociais para aquele que contrai a dependência.
Quanto à questão psicológica seus efeitos influenciam no comportamento.
Influem na construção de novos traços na personalidade (alguns dizem, defeitos de caráter), que leva o dependente a ter uma nova visão de mundo, de sociedade. Visão esta que vai contra certos valores, princípios de convívio social, tendo perdas sociais e uma disfunção psicológica e ainda, é preciso ressaltar que estas mudanças também são sintomas provocados pela dependência, ou seja, pela necessidade de drogar-se.
Portanto, seus efeitos e mudança de comportamento, segundo meu ponto de vista, é um dos fatores mais complexos para busca de um tratamento e para sua manutenção no mesmo. Muitos dependentes acabam buscando tratamento por questões sociais e biológicas, no entanto, como seu psicológico não está preparado, não permanecem. O índice de pessoas que abortam o tratamento chega a quase 90%. Há dependentes que entram e saem no mesmo dia de uma clínica, outros permanecem uma, duas semanas e quando aperta a crise de abstinência não resistem. Já alguns até ficam 2, 3 meses, mas como não conseguem trabalhar o psicológico acabam abortando alegando vários motivos.
Propósito 
O propósito está muito ligado a questão psicológica, ou seja, não tem como se manter num tratamento sem vontade.
Pois, ninguém faz o que não deseja.
Não há como exigir de uma pessoa mudança de vida, de comportamento, se ela não quer.
Na maioria dos casos conversando com dependentes em recuperação eles são claros ao dizerem; “agora eu quero, já internei varias vezes, mas na verdade em nenhuma delas eu quis recuperar”, “eu me internei para livrar de uma situação lá fora”, “me internei para dar uma recuperada biológica, pois andava muito doente e quis dar um tempo”. Enfim, estes e tantos outros argumentos ouço de muitos que buscam tratamento. Isto é, não existe o propósito de uma mudança de vida, ou melhor, de deixar as drogas de verdade. Portanto, para estes, não deixarão as drogas mesmo.
Pois bem, partindo das colocações acima, sou contrariamente a internação involuntária, por acreditar que se alguém, não quer se tratar não há como força-lo, pois o dependente pode até se internar, mas não permanecerá na instituição, e ainda é preciso levar em consideração que esta pessoa colocará em risco aqueles que de fato estão a fim de tratamento de verdade.
Muitos podem dizer: “Mas o que fazer com aqueles que não querem tratar-se?” Ou “Como fazem os familiares destes dependentes que não querem tratar-se?” Acredito que para os pais o fundamental é procurar ajuda profissional ou participações em grupos de mutua ajuda. Não adianta questionar, lamentar-se sem ter atitude de procurar orientações, informações e tratamentos também, pois, grande maioria dos pais estão doentes juntamente com seus entes, a doença da coodependencia.
Para os jovens dependentes que estão se drogando e não querem se tratar é preciso que haja entidades governamentais e da sociedade civil que tenham projetos que levem estes dependentes buscarem tratamento de forma voluntária, ou seja, projetos direcionados a aqueles que são dependentes e que não se deram conta que precisam tratar-se.
O que a sociedade precisa cobrar do Poder público são projetos neste sentido, ou seja, casas de acolhimentos, onde haja equipes interdisciplinares que visem os dependentes que estão nas ruas que não querem se tratar e possam através de abordagem de acolhidas e ao mesmo tempo de informações promoverem a consciência neles da dependência, e assim que este desejo for manifestado ter entidades para os encaminharem. O que vemos hoje são jovens desejando internação para o tratamento e o Poder público sem ter como encaminhá-los devido ao descaso as entidades de tratamento.
Ataíde Lemos
Poeta e escritor  


                               https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Saúde

loading...