Redes Sociais:

Só Poesias: Fazer Sexo , ou Fazer Amor?

O erotismo está perdendo seu espaço para a pornografia. O desejo permanece latente e os olhos voltados somente para o corpo.

Por Maria Catherine Rabello

**FAZER SEXO, OU FAZER AMOR?**    
O erotismo está perdendo seu espaço para a pornografia. O desejo permanece latente e os olhos voltados somente para o corpo, as formas, as curvas. 

Fazer sexo ou fazer amor?

A pergunta que não se cala e que perdeu o sentido.
Um amor piegas ou apático.
Um amor rotineiro ou uma grande paixão.

A lascívia que consome os amantes apaixonados, onde tocam sem tocar, beijamsem beijar, despem o outro com a malícia do olhar que deseja ardentemente prazerosas sensações.

Os preliminares são representados pelo aconchego, pela ternura, a troca de olhares silenciosos, os mútuos suspiros, as ofegantes respirações que denunciam a avassaladora paixão: Fazem amor!

A pornografia que invade as casas, as mentes, os corpos, que enxergam as aparências, a ausência do toque sincero e profundo no outro, que banaliza o ato de fazer amor, que transforma o sagrado em
profano, que menospreza o verdadeiro gemido de prazer, e transforma em dor: A dor silenciosa que corrói a alma quando se sente usada, invadida e de lado deixada: Fazem sexo... Sexo por sexo! 

Onde está o amor?
Onde foi parar o sorriso sincero?
O toque das mãos?
O cavalheiro?
A dama?
O doce beijo que completa?

Ironias à parte, o mundo que tanto desejava a liberdade de expressão sexual, está sendo engolido pela própria vontade, e pior... As pessoas que assim o transformaram: Um ato puro e intenso, em algo vulgar
e sem sentido.
E depois, ainda reclamam de frustrações...
*Gênice Suavi.*

**Corações próximos e distantes... **
A falta de diálogo corrompe corações.
Afasta lentamente um do outro, sem perceber tornam-se tão distantes, que mal conseguem se ouvir...

Igualmente quando existe ‘o hábito do grito’, onde ao invés de falar com delicadeza e respeito, o que deveria ser uma civilizada conversa, transforma-se em ásperas palavras.

Corações tão distantes que mal enxergam a tristeza no olhar do outro. A tristeza da ofensa através do ‘silêncio ou do barulho’.

Equívocos, mal entendidos, palavras vãs, pessoas erradas nas horas erradas, tristes resultados de ‘corações distantes’.

Um coração quando no outro está, não cede espaço para o orgulho, o egoísmo, o medo do erro.
Serenamente andam de ‘mãos dadas’ enfrentando juntos as turbulências da vida.
É colo, é carinho, é ternura, é respeito, é admiração, é confiança, é segurança, é proteção, é complemento!

A certeza interior de que mesmo distantes um do outro, estão próximos, juntos, unidos pelo pensamento (quando este é recíproco)
Desfrutando de uma paz silenciosa, onde ambos mesmo tendo consciência que formam um, são dois.

O que os leva a acreditar na Grandeza do Silêncio, na Grandeza do Respeito, na Grandeza da Confiança, na Grandeza da Serenidade, na Grandeza de dois corações unidos na Grandeza de Amar.

Perceber no olhar de uma pessoa a serenidade e o amor que esta possui é como encontrar um elixir para a alma.
Viver esta união pelos corações, absolutamente inteiros um no outro é dádiva dos céus.

Em corações próximos, compreendem-se palavras não ditas, olhares se ‘comunicam’ e se traduzem, gestos silenciosos são revelados sem no outro tocar.
Constituem uma Essência única sem perder a própria.
Pode-se dizer até que alcançam uma união tão elevada e tão única, que estão acima do bem e do mal.
Infelizmente, raros são os que vivem assim, e menos ainda: entendem!
*Gênice Suavi.*

**Amar-te...**
É um conto de fadas...
Eu que te amo tanto tão pouco importa
entender esta história bonita que só eu consigo ler.
Amar-te... É como saborear um bom vinho
num sábado à noite sem balada.
Amar-te é tão bom que nem me falta você.
Aprendi a amar-te calada...
Calei-me e consigo amar-te.
Amar assim sem sofrer.
Amar-te...

É adorar-te e velo sorrir...
Ir a lugares contigo que só eu consigo ir.
Ah... Amar-te é um sentimento tão delicado
e tão exclusivo que nem preciso dividir.
Amo-te tanto... Tanto!
Feliz de mim que o meu peito é
amor e encanto. Fico a amar-te aqui no meu
canto te vendo entrar e sair.

Ah como te amo.
Talvez um dia...
Diga-te o quanto amei.
Quantas vezes contigo viajei.
Ah quantos mares contigo naveguei.
Em quantos sonhos contigo me realizei.
Em quantos jardins tu forte a flor...
No meu céu o querubim amor
Um dia talvez eu diga “te amei”
Mas se não falei enquanto amo.

Porque amor...
Porque então falarei?
*Marisa Torres*

**O meu amor...**
O meu amor,
Ele que chega, me aquece
Me entontece, inebria
Com tanta emoção.

O meu amor
Que me olha, me desnuda
Com esses olhos de gavião
Ele me toca, e nesse momento
O meu mundo, vai ao chão...

O meu amor
Quando chega, nas mãos
Um carinho, um afago
E na boca, aquele beijo
Que é perdição....

O meu amor,
Faz e acontece, estremece
Meu pobre coração
E naquela hora, depois de tudo

Eu me acho, me extravaso
Sou pura emoção...
Ah! o meu amor....

É pura fascinação...
*Betânia Uchôa*

**Vontades**
Eu já fui um sopro de vida,

uma vontade, na mente de alguém
Uma lembrança que durou um instante
Fui apenas uma flor.
Eu já girei pelo mundo alheia,
sem vontade de prosseguir ou chegar
Já vivi em muitas vidas,
Uma eternidade até me cansar

Eu fui um desejo doentio, alegre,
Uma faísca, um pavio.
Fui até uma dançarina, freira, nuvem.

Fui vertigem, milagre e saudade,
Um pensamento raro, escondido a sete chaves.
Fui capitão, conselheiro e doutor...

Mas hoje, sou apenas, a sua vontade...
Guardada lá no fundo da minha saudade.
*Betânia Uchôa*

**A VERDADE**
Emociona
transpõe e transmite
É inalterável
não tem idade mesmo que seja
pouco importante ou poderosa
na sua forma de exprimir.

É permanente
constante
imutável nos tempos
porque ela não abala os
que pensam e agem
com amplidão.
Os autênticos, os leais,
os sinceros sabem falar
sobre a dúvida
pois não a escondem
dúvida não é Mentira
é o caminho da Verdade!

Quem ama a verdade
tem o dom de olhar
atentamente o mundo
pois guarda para si
o testemunho de saber
distinguir os acontecimentos
e quem sabe ativa
a infinita virtude
de perdoar!
*Celina Vasques*

**UM OLHAR PARA ALÉM DA NOITE**
E vejo o mar... e sinto a brisa a afagar meu rosto...
e o aroma das flores na minha varanda... E beijo o silêncio
Qual se fora folhas de outono a volitar na tentativa de
Alcançar o tempo que se foi...

Ah! E as nuvens viajam no palato celeste
Cruzando as alturas...
Em meu peito ardem as lembranças que sorvo
E viram estrelas que brilham nas noites dessa profunda solidão...

E arde em meu peito esta saudade... Que incendeia e sangra a minha alma solitária
E fantasio com sonhos que se eternizam em meus versos...
... inquieta lanço um olhar para além da noite
À espera de ti!
*Celina vasques*

**Ama-me_**
Ama-me como se eu fosse uma estrela
bem distante porém alcançável.
Ama-me como se eu fosse
chuvas imprevisíveis que sem esperar
faz uma cantilena de pingos no telhado
para embalar-te numa doce calma.
Ama-me apenas por me amar.
Sim ...
Amo-te literalmente
Sou Lua nua, Estrela cadente,
na constelação dos teus sonhos.
Amo tua inquietação nos anseios
com encantos da alma.
Tens o brilho no olhar
como diamantes
que nascem em noite de luar
Trago emoções nas verdades cruas
para interiorizar
meus instantes em ti.
Sou completamente imperfeita
amo demais
mesmo assim... Entrego-me
sem limites ao caprichos.
do coração
Deixo a desenvoltura perpetua
a minha essência
poetizando teu nome.
*Joe Luigi & Poetisa Sandra Pires*

**CIGANA...**
Sob o luar, sou pura magia e sedução
sede de vida com muita emoção.
Algo quase perto da perfeição
de um sonho.
Sou a sede infinita de amar
devolvo-te a vida, pela luz do meu
olhar.
Sou paixão que explode em fantasia.
Alma cigana
fada de luz que baila nas nuvens
na fogueira movida pelo calor da
intensidade das chamas
Sou mistério ...Sensível.
tenho coragem, brilho próprio
e mero reflexo,
Sou estrela no infinito
na combinação da constelação
Sou assim... Sigo meus instintos
esse meu jeito cigano, que
decifra-me no amor
porque me chamam de poetisa
e de cigana.
*Poetisa Sandra Pires *

**Outono -**
...As folhas das árvores já estão perdendo o viço
e se preparam para se misturarem ao solo verde dos vales
e montanhas.
Os pés de margaridas do campo que estavam viçosas,
tingidas de amarelo ouro, caiem na terra ressequida de sol.
Perfumes de várias flores que invadiam o ar, dava-nos uma
sensação de alívio, começam misturar -se ao cheiro gostoso
de mato e logo as folhas cairão com a brisa do vento de outono.
A natureza é sábia, tece tapetes mesclado de cores amarelas
e tons pastéis até ficarem marrom, proporcionando- nos
uma paisagem belíssima, onde os perfumes das flores caídas
mescla com a relva que teima ficar verde, nos presenteando
com um ar puro com perfume gostoso.
As flores cálidas de raras espécies misturam -se mesmo tempo,
formando desenhos que parecem feitos a mão.
É o outono ressurgindo do verão quente, de chuvas pesadas
e outras passageiras que gentilmente, tentavam nos dar um
alívio no calor por vezes quase insuportável.
É novamente outono, estação maravilhosa com um cheirinho que
nos convida a amar e caminharmos de mãos dadas e sonharmos.
-*Joe Luigi *

**Dentro de mim estão
os meus mais lindos sonhos...
Onde minhas esperanças permanecem vivas...
Mesmo quando as adversidades
insistem em deixar as suas sombras.
Meu coração é uma fonte constante de amor,
de um “amor energia” dirigida à vida.
Posso perceber a todo instante
a profundidade com que minha vida é tocada
pelo brilho de um olhar terno.
É quando os meus sentimentos
mais profundos são sentidos...
E a cada passo deixo deslizar
a suavidade que marcam os meus gestos.
Suavidade simples de quem simplifica a vida,
me permitindo sonhar os sonhos que
quero e sentir a presença
da fascinante magia que encanta
A REALIDADE DE AMAR
*Lenilce Azevedo*

**UM CAMINHO QUE ESTREITA...**
Um caminho, o meu caminho,
onde paro, olhando para trás,
tentando recordar esta caminhada!

No princípio um caminho cheio de Sol,
dava-me forças para tudo superar;
caía e levantava!

Continuava sempre com esperança,
encontrava mais pedras
e contornava,
caminhando, caminhando!

Comecei com dificuldades
em curvas imprevistas,
perdi um pouco a confiança,
mas não perdi a Fé!

Avistei o caminho a ficar “estreito”,
mas sempre com ajuda de outros
- amor incondicional –
tento, vou buscar forças
até alcançar o final do caminho,
ponto de encontro dos meus desejos!
*José Manuel Brazão*

**VIDA**
Não vou falar do que alcancei
…nem relembrar o que perdi
A vida é feita de perdas e ganhos,
de ilusões e desenganos
Sonhos que nascem
e ideias que florescem,
uns dão frutos, outros não.
Desistir? 

Não!

Não deverá ser essa a decisão,
quando a voz da razão...grita:
dentro e bem fundo no peito,
Que temos na alma a causa sã
e ao seu lado está o coração...
unidos com amor e harmonia
*Catarina Pinto Bastos*

**Contemplação**
Me perder em verdes,
cores, multicores
águas cristalinas,
em um infinito jardim.
Contemplar o arco íris
nas cachoeiras a se formar,
presentes celestial
no coração acalentar.
Ser momento de sonho
nas alturas, paredões
rochas das montanhas
raiz da terra, nossa mãe.
Ser gaivota livre a voar
me perder simplesmente,
na terra, nas matas
no ar.
Ser parte desse infinito,
presente de Deus
à contemplar.
*Elisabeth Gl. da Conceição*

**POR FAVOR**
Não me fales de amor!
Não digas… O que não sentes
Cala a boca…Por favor!
Cala-te!…Tu mentes
E causas-me muita dor

Dor de amor!
É sofrimento dobrado
Sofre-se por amar…
E sofre-se!... Por não ser amado

Peço-te!...Por favor
Fica calado!...
Deixa a ferida sarar
O tempo…Será meu aliado
Vou deixa-lo correr
Descansar!...E aceitar…
…Esperar esquecer!
Este amor mutilado
Que se recusa morrer…
Insiste em reviver
Todo o nosso passado…

As primícias da colheita
Da sementeira de amor
A seara perfeita…
Que não deixas-te crescer!…
Tiraste-lhe o alimento
Quando estava a florescer
Não olhas-te ao sofrimento…
Hoje! Não tem mais valor
São nados mortos…Abortados fora de tempo...
…Ainda o lamento!…
Contínua grande… A dor…
Coração…E alma desfeita…
Espero…Me recompor
Foi…Mais um ensinamento
Estamos sempre a aprender!

Jamais te esquecerei
Até…Já perdoei…

Feliz!...
Penso que nunca o serei
Mas … não sei…
Vou dar tempo… Ao tempo
Esperar!...
O que for meu!…Um dia irá voltar
*Conceição Carraça*

**RAÍZES**
Os dias vão somando
Do passado a saudade
Hora a hora recordando
Momentos de tenra idade
Na pequena aldeia branca
A riqueza não existia
Mas gente honesta e franca
Trabalhando noite e dia
Recursos!...
Não havia
Era duro o trabalho…
…E fraco o salário!…
Mas havia alegria
Eramos felizes!
A vida fazia sentido
Não havia falsidade
Todo o mundo era amigo
Repartiam-se a novidade
Cada um dava do que tinha
E na matança do porco
Ocasião para festejar
Ah!...quanta saudade!…
Como gostava de olhar
As sábias mãos femininas
Os enchidos a confeccionar
Mulheres e meninas
Mantinham a tradição
Faziam até o pão
Mais uma qualidade
A mulher da aldeia
Dava cartas à da cidade
A boa disposição
E o corpo ginasticado
Agia com o coração
Queixume! Era coisa feia
Mulher valente e guerreira
Trabalhava de sol a sol
De sábado à segunda-feira
Ao domingo…Havia o pão mole
Era dia de festa rija
Saído do forno…A queimar
Regado com azeite da botija.
E açúcar a adoçar!…
Ainda sinto o sabor…
…O cheiro delicioso!
Daquele manjar gostoso
Bom demais para acabar
Que saudades!
Da menina…Do sítio que a viu nascer
Cresceu! …Aprendeu a conhecer
Os grandes valores da vida
Humildade, amor e amizade
A força para vencer
*Conceição Carraça*

**SOU O QUE SOU**
Sou dona do meu nariz e escrava de minhas vontades.
Sou adepta à ser feliz de verdade!
Sou a razão dos meus pecados e a confissão dos meus segredos.
Sou minhas vitórias e meus medos
Ora sou assim...ora sou assado!
Sem prazo de validade, sem tempo determinado!
Sou meu sim ou sou meu não...sem atrito ou confusão...apenas boa ouvinte das vontades do coração!
Sou a pedra no seu sapato ou a flor do seu jardim...depende a visão que tem de mim!
Sou livre mas presa ao meu destino...
Ando de braços dado com o tempo e suas brincadeiras de menino...
Tenho intimidade com a vida, que chamo de minha!E tenho andado com ela, que não me deixa sozinha...
Sou essa...ou aquela!Bruxa ou Cinderela...
Tanto faz...sou tudo o que a vida me torna capaz!
*Mell Glitter*

*MUNDO DA POESIA*
BLOG MARIA CATHERINE RABELLO

TODAS  AS EDIÇÕES:
http://www.jornaldacidadeonline.com.br/blogs/17/maria-catherine-rabello

Amo minha vida e todos que fazem parte do meu mundo.
Poesias são sonhos vividos, lembrados ou desejados. Poesia acalenta a alma e o coração.
Sonhar é viver, viver feliz! Amo poesias, poesias de amor sempre! 
Sou sonhadora e feliz. Meus rabiscos são meus segredos, meu baú de sentimentos.
Apresento lindas poesias de muitos corações iguais ao meu.
Amar sempre!
Maria Catherine Rabello

                                              https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online.