Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor (federal) aposentado pelo Banco Central do Brasil, residindo atualmente em Balneário Camboriú(SC), mas com título eleitoral do Rio Grande do Sul.

O contorcionismo dos soldados de Dilma Rousseff

Coisas do arco da velha. O presidente interino da Câmara tenta anular a sessão do impeachment, ocorrida em 17 de abril, ao acatar pedido do Advogado-Geral da União, José Eduardo Cardozo.

Mas, com galhardia, o presidente do Senado, Renan Calheiros, refutou de plano o ofício recebido da Câmara e deu prosseguimento ao exame da matéria de impeachment.

O Brasil merece respeito. O Parlamento não pode ser objeto de manobra de facções políticas mais interessadas na defesa de seus interesses. 

Estão querendo brincar com a democracia.  

É flagrante o trio burlesco do Senado, Gleisi Hoffmann (PT-PR), Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) e Lindebergh Farias (PT-RJ), em seus shows de contorcionismo para impedir ou procrastinar o processo de impeachment de Dilma Rousseff.

O estado democrático de direito tem que ser respeitado. As decisões aclamadas pela maioria de seus parlamentares, com fundamento na Constituição e em regulamentos internos do Congresso, não podem ser ignoradas e nem ser objeto de nulidades.

Neste país ainda vigora a plenitude da observância da Constituição, das normas e das decisões do Congresso, como apanágio indispensável e orientador da normalidade democrática em contraposição ao ambiente de anarquia e de anomia.

A decisão da Câmara Federal, por ampla maioria de 367 deputados a favor do impeachment, foi constitucional, obedeceu aos ritos dos regulamentos internos da Casa e respaldada por decisão do STF, o qual impugnou manobra do governo em tentar impedir que o então presidente, Eduardo Cunha, presidisse a histórica sessão da Câmara.

O advogado-geral da União, desesperado, tenta de todas as formas se agarrar em algum tronco - boiando no dilúvio que se abateu sobre Dilma Rousseff - na vã tentativa de salvar o mandato da presidente. E de maneira quixotesca se lança contra os moinhos da democracia, da moralidade e da Casa Legislativa Federal, com objetivos não republicanos de denegrir o resultado chancelado por 367 representantes do povo.

Ora, a decisão da Câmara, proclamada de forma legítima e respaldada pelo STF, que indeferiu pedidos de partidos da base do governo para impedir o julgamento do impeachment, não pode ser questionada ou impugnada.

Assim, causa perplexidade a tresloucada decisão do emergente presidente interino da Câmara Federal, deputado Waldir Maranhão (PP-MA), um ilustre desconhecido e apagado parlamentar que passou a constar da história dos políticos mambembes por afrontar o país com a despropositada e irracional decisão de anular a sessão da Câmara, que aprovou o impeachment de Dilma Rousseff.

Esse parlamentar tem que ter o seu mandato cassado.

Júlio César Cardoso

                          https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline

Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor (federal) aposentado pelo Banco Central do Brasil, residindo atualmente em Balneário Camboriú(SC), mas com título eleitoral do Rio Grande do Sul.

Mais de Júlio César Cardoso

Comentários

Notícias relacionadas

loading...