Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor (federal) aposentado pelo Banco Central do Brasil, residindo atualmente em Balneário Camboriú(SC), mas com título eleitoral do Rio Grande do Sul.

O Brasil imerso no turbilhão corrupto

Somente uma nova intervenção militar poderá recuperar a ética e a moralidade pública.  Com o contingente político de que atualmente dispomos, o qual grande parte de parlamentares responde a processo na Justiça, ou transige com a continuação de condutas imorais políticas, o Brasil não sairá deste turbilhão corrupto.

O presidente Michel Temer se esforça, mas é alicerçado por uma corja de  políticos desclassificados, que lhe dão sustentação e o levaram ao poder. Michel Temer, também citado em delação premiada, está refém de Renan Calheiros, Romero Jucá, Moreira Franco, Rodrigo Maia e outros lacaios ordinários, que denigrem a imagem da nação.

Ninguém em sã consciência é a favor de governo militar. Mas (1) a situação presente do país está em total descontrole em termos de segurança pública; (2) a criminalidade campeia no país; (3) os traficantes e criminosos de alta periculosidade  comandam o crime de dentro dos presídios; (4) virou praxe a explosão de  caixas eletrônicos no Brasil; (5) os crimes políticos são demorados para ser sentenciados; (6) a Justiça brasileira é frontalmente desafiada por políticos poderosos, que destratam a seriedade do juiz Sérgio Moro e de outros, e por isso desejam tirar as suas garantias constitucionais de  poder operar no campo jurídico.

O Brasil militar passou por um período de paz social, que dá saudade, em que o cidadão de bem ia e vinha sem ser molestado, e as residências, igrejas, colégios e órgãos públicos não eram cercados por grades. Somente os subversivos de tendências comunistas abominavam o regime militar. Foi o tempo em que muitos brasileiros apolíticos construíram as suas vidas. E ressalte-se: nenhum ex-presidente militar morreu rico.

No período militar havia hierarquia e respeito, e o Brasil progrediu. Veja, por exemplo, a construção da Usina Hidrelétrica de Itaipu, a Ponte Rio-Niterói, a Transamazônica, a abertura ao capital estrangeiro, e tal situação acabou criando o chamado “Milagre Econômico”, no qual o país teve grandes índices de desenvolvimento econômico.

O maior erro dos militares foi devolver o Brasil aos políticos, sem deixar estabelecido que o poder militar das Forças Armadas deveria fazer parte constitucional de todos os governos, como espécie de poder moderador, para impedir que a Presidência da República fosse assumida por corruptos e correlatos.

Assim, somente com a volta dos militares ao poder - fechando o Congresso Nacional, extinguindo a reeleição e marcando pleitos com a presença  de candidaturas novas, ou seja, sem a participação de nenhum atual ou ex-político -, o Brasil encontrará o cominho da moralidade pública e do desenvolvimento.

Por fim, como se pode ter esperança de um país moralizador(?), onde o novel ministro da Justiça, Osmar Serraglio (PMDB-PR), defendeu a anistia de Eduardo Cunha e ajudou a Câmara a desfigurar o projeto de iniciativa popular anticorrupção, que agora, felizmente, o ministro FUX, do STF, ordenou que o projeto voltasse à Câmara Federal para maior discussão e nova votação.

Júlio César Cardoso

Júlio César Cardoso

Bacharel em Direito e servidor (federal) aposentado pelo Banco Central do Brasil, residindo atualmente em Balneário Camboriú(SC), mas com título eleitoral do Rio Grande do Sul.

Mais de Júlio César Cardoso

Comentários

Notícias relacionadas

loading...