Valdivino Sousa

Valdivino Sousa é Professor, Matemático, Pedagogo, Contador, Bacharel em Direito e Escritor. Pesquisador sobre Engenharia Didática em Educação Matemática; Modelagem; Construção do Conhecimento em Matemática; Modelos Matemáticos e suas Aplicações. Seu trabalho é reconhecido com Medalha de Mérito como docente pelo Instituto Matematics. É Professor nos cursos de Matemática, Ciências Contábeis, Administração e Engenharia. Dedica-se também a área contábil, com mais de 20 anos de experiência e desde 2005 é Contador responsável da Alves Contabilidade e Consultoria Tributária. Atuante nas seguintes áreas: Tributária, Contábil e das Entidades sem fins Lucrativos. Autor de mais de 10 (dez) livros e têm vários artigos publicados em revistas e jornais especializados nos assuntos de Legislação tributária e contábil. Semanalmente escreve para o portal D.Dez, Jornal da Cidade e Folha Online. Escreve sobre: Educação Matemática e Desenvolvimento da  Aprendizagem.  Site: www.valdivinosousa.mat.br E-Mail: valdivinosousa.mat@gmail.com Cel Whatsap 11- 9.9608-3728.

Conflitos não resolvidos geram situações ameaçadoras – mecanismos de defesa

Os mecanismos de defesa podem ser considerados as ações psicológicas que têm por finalidade, reduzir qualquer manifestação que pode colocar em perigo a integridade do Ego, pois o indivíduo não consegue lidar com situações que por algum motivo considere ameaçadoras. São processos subconscientes ou mesmo inconscientes que permitem a mente encontrar uma solução para conflitos não resolvidos ao nível da consciência. A base dos mecanismos de defesa são as angústias. Quanto mais angustiados estivermos, mais fortes os mecanismos de defesa ficam ativado.

Do ponto de vista da reforma íntima, conhecer esses mecanismos de defesa do Ego é muito importante para não confundirmos qualidades com defesas. Se aprendermos que as emoções e instintos são perigosos ou danosos,  nossa tendência é reprimir, negar ou racionalizar.  Isto não significa que estamos amadurecendo ou transformando esses aspectos.

Confundimos repressão (mecanismo de defesa) com resolução, sublimação (mecanismo de defesa) com sublimação real e espiritual, negação (mecanismo de defesa) com renuncia, superação, perdão, elevação. Qualidades não podem ser auto-impostas e sim cultivadas e desenvolvidas, é comum ao forçarmos qualidades conscientemente, entrarmos em defesa inconsciente do ego

Como podemos ver, os mecanismos de defesa do Ego são necessários, mas como são inconscientes, não sabemos quando estamos atuando a partir deles. Dessa forma, eles tendem a ser prejudiciais, já que ao nos “proteger” cria outros problemas. Esta proteção que na infância era útil em função de nossa imaturidade psicológica, no adulto traz desequilíbrios, pois perdemos contato conosco (self) e com a nossa realidade interna, ficamos desta maneira, afastados de nossa verdadeira natureza. Eles nos protegem de algumas dores, mas provocam outras, muitas vezes mais complexas. Hoje como adultos podemos lidar com certas dores, que quando crianças, não conseguíamos. Evitar a dor é confortável, no entanto, ao ocultar temos muitos prejuízos, pois impedimos o acesso a nós mesmos. Vamos criando novas dores todos os dias, pelas nossas reações induzidas, pelos nossos aspectos psicológicos ainda imaturos e por nossas imperfeições.

Os principais mecanismos de defesa são os seguintes:

  1. Repressão – retirada de idéias, afetos ou desejos perturbadores da consciência, pressionando-os para o inconsciente.

Este é o principal mecanismo usado em todas as religiões, inclusive no meio espírita. Toda vez que descubro que alguma coisa é “errada” em mim e não sei como lidar, a tendência natural é reprimir. Contenho aquela tendência dentro de mim, procuro pensar em outra coisa, me exijo ser bom e ter retos pensamentos. Tirar uma tendência do foco, não é ter resolvido. É muito comum a repressão nos deixar polidos no meio social, mas não sustentarmos muitas vezes esse comportamento em casa. Normalmente o que reprimimos surge no sonhos, de formas inesperadas através de nossos lapsos na fala (ato falho) ou em comportamentos que não controlamos. Muitas repressões também escoam no nosso corpo gerando somatizações.

Reprimir não é errado, mas ineficiente como agente de transformação. Ele é um auxiliar importante para vivermos socialmente, mas não para crescermos interiormente.

Lidando com a defesa: Procure conhecer mais sobre seus sentimentos, suas emoções, tendências, características e imperfeições. Busque mais, entender que criticar ou julgar, busque as origens destas características, informe-se. Tudo o que desconhecemos, tememos. Eduque o que não está de acordo com o que escolhe vivenciar ou viver, mas não reprima simplesmente, pois você só dará mais força a esse aspecto do seu ser.

  1. Formação reativa – fixação de uma idéia, afeto ou desejo na consciência, opostos ao impulso inconsciente temido.

É quando reagimos ou agimos oposto ao que seria nossa tendência interna. Quando além de reprimir, tendemos a exagerar no extremo oposto para não nos denunciarmos, ou para não darmos vazão a tendências nossas. Esse mecanismo pode ser útil para não nos complicarmos em nossas ações, mas como não há como mantermos essa pressão interna muito tempo, tendemos a nos descontrolarmos de forma inesperada, fazendo as vezes mais estragos do que gostaríamos. Não agimos, mas reagimos quando já agüentamos mais.

Ex: Uma pessoa extremamente intolerante se comporta como se fosse uma pessoa doce e afável, encobrindo dessa forma, seu verdadeiro impulso, no caso, a intolerância e a impaciência. De alguma forma as pessoas percebem o que está por baixo desse comportamento, somente a própria pessoa não tem essa percepção.

Lidando com a defesa: Busque se conhecer mais e educar o que você percebe ameaçador no seu comportamento ou no seu intimo. Tudo pode ser transformado.

  1. Projeção – sentimentos próprios indesejáveis são atribuídos a outras pessoas.

Esse também é um mecanismo de defesa extremamente comum no meio religioso e também no meio espírita. Projetamos não só sentimentos, mas qualidades, imperfeições etc.

Enxergamos com exatidão as falhas do outro, percebemos inclusive os detalhes, mas não percebemos muitas vezes, que temos características, comportamentos ou imperfeições muito semelhantes aos outros. Na projeção, olho no outro para não ter que olhar em mim.

Na projeção eu atribuo ao outro culpa por tudo que acontece comigo, me transformo vítima do outro e do mundo, não assumo com isso nenhuma responsabilidade. Culpo a esposa, o marido, os filhos, os parentes, os pais, o chefe, os colegas, os políticos, os governantes, inclusive aos espíritos e a Deus.

Lidando com a defesa: Toda vez que fico muito incomodado com o comportamento, fala, atitude de alguém é uma dica que tem algo ai para aprender. Se assumo ao menos uma parte da responsabilidade, se estou sempre atento a olhar minha parte em todas as circunstâncias, se estou aberto para admitir e reconhecer também minhas falhas e imperfeições, provavelmente não precisarei projetar no outro.

  1. Regressão – retorno a formas de gratificação de fases anteriores, devido aos conflitos que surgem em estágios posteriores do desenvolvimento.

É um mecanismo de defesa comum em nossos relacionamentos. Quando somos flagrados em alguma falha, quando as coisas não vão bem, quando estamos fragilizados, quando somos reprimidos, criticados ou julgados, as vezes entramos na vitima, na criança interna. Ficamos regredidos a uma fase bem infantil, ficamos confusos, chorosos, birrentos, inseguros,  reativos e algumas vezes, até agressivos.

Lidando com a defesa: Quando possível, nesses momentos, precisamos nos recolher, acolher, nos dar colo, buscar amigos e pessoas amadas para estarmos perto, não para nos lastimar porque reforçaríamos a regressão, mas para termos calor humano e presença afetiva. Precisamos também  lembrar que não somos mais crianças e que é necessário acolhe-la, para que não tome todo o palco de nossa consciência. Podemos ficar no adulto, sentindo ao mesmo tempo a fragilidade da criança interior e acolher para não atuá-la.

  1. Racionalização – substituição do verdadeiro, porém assustador, motivo do comportamento por uma explicação razoável e segura

Quando explicamos, justificamos ou damos desculpas para não lidarmos com nossas emoções e incômodos estamos racionalizando.

Quanto mais entendemos, sem trabalhar ou amadurecer nossas emoções, mais estaremos propensos a racionalizar, imaginando com isso que estamos nos superando.

Este mecanismo de defesa é particularmente comum no meio espírita.

A Doutrina espírita é uma doutrina racional, pois usa de explicações e entendimentos racionais. Racionalizar não é o mesmo que racionalização (mecanismo de defesa do ego). Racionalizar ou raciocinar é ato nobre do psiquismo que nos leva a compreensão e o discernimento, é a bússola do ser. Racionalização, no entanto é fuga de si mesmo, através de desculpas e justificações inúmeras, para não se auto enfrentar e não fazer a reforma íntima.

Lidando com a defesa: Procure sentir além de entender. Principalmente se você tem facilidades intelectivas, é comum se defender pela racionalização e argumentos. Treinar o sentir nos conecta com outra bússola preciosa, a intuição. Razão sem intuição abre campo para a racionalização. Toda vez que alguém o criticar ou julgar, escute apenas, não se defenda. Pergunte-se: Considere que 10% do que essa pessoa me diz seja verdade, qual seria essa verdade? O que posso aprender para ir além do que sou através do que essa pessoa me diz?

  1. Negação – recusa consciente para perceber fatos perturbadores. Retira do indivíduo não só a percepção necessária para lidar com os desafios externos, mas também a capacidade de valer-se de estratégias de sobrevivência adequadas.

A negação é um dos mecanismos de defesa mais comuns. Quando negamos perdemos o contato com o incomodo, mas obviamente não o resolvemos. Dessa maneira acumulamos coisas não resolvidas, até que  em algum momento venha à tona de uma forma inesperada e muitas vezes dolorosa.

Fazemos de conta que tudo está bem e que nada nos incomoda, nos sentimos até evoluídos por essa façanha, não nos afetamos com nada.  É como estivéssemos acima de tudo, das provocações, criticas, reações emocionais do outro e julgamentos, dessa forma nos sentimos inatingíveis. Isso pode não ser evolução ou elevação, mas negação, algo ainda mais grave que repressão.

Lidando com a defesa: É uma das defesas mais difíceis de lidar, pois estamos muito longe da verdade, cobrindo tudo com um véu para afastar tudo aquilo que possa nos causar dor. Suspeite sempre que mesmo achando que você esteja bem, que não tenha problema algum, se as pessoas o evitam, se percebe uma solidão mesmo na presença de outros, se as pessoas frequentemente comentam sobre seu distanciamento ou alheamento, é possível que utilize a negação como forte mecanismo de defesa. Fique atento ao que diz as pessoas mais próximas de você, normalmente são as que mais nos conhece. A negação é um dos mecanismo que mais nos coloca acima do outro, dando a impressão que somos mais evoluídos espiritualmente, mas na verdade só estamos evitando o sofrimento por nossa extrema fragilidade. Portanto, para enfrentarmos a negação, precisamos acolher nosso temor interno e ir na direção daquilo que nos causa dor, só dessa forma poderemos nos transformar verdadeiramente e sair do engano, que só atrasa nossa verdadeira evolução.

  1. Deslocamento – redirecionamento de um impulso para um alvo substituto.

É quando contemos nossos impulsos e reações emocionais para não macular nossa imagem de boa pessoa e deslocamos esses impulsos para pessoas, objetos ou animais. Usualmente descarregamos nos filhos, esposa, marido, familiares, funcionários, animais de estimação, cadeiras, portas, etc

  1. Anulação – através de uma ação, busca-se o cancelamento da experiência prévia e desagradável.

Anulação é a tentativa de esquecer, ou anular uma experiência ruim. Algumas pessoas que não conseguem perdoar verdadeiramente costumam anular o outro, matando- o  dentro de si. Anular não é resolver esse passado ruim ou a nossa dificuldade com o outro, estamos somente isolando dentro de nós o incômodo, que ainda vai continuar lá nos perturbando. Tudo que não é resolvido em nosso psiquismo vem à tona com o tempo através de dores inúmeras e de distúrbios psicológicos e psiquiátricos diversos.

Lidando com a defesa: A melhor forma de lidarmos com essa tendência, um pouco semelhante à negação (mecanismo de defesa de ego), é enfrentarmos as nossas dificuldades e o que nos incomoda. Enfrentar  é admitir a dificuldade em questão, aceitar sem crítica e acolher nossa humanidade imperfeita e falha. Posteriormente reconhecer e validar as nossas emoções relacionadas ao evento. E por fim, se nos sentirmos em condições, esclarecer, resolver, se posicionar, se expor no que se fizer necessário, colocar limites, sempre em sintonia com o nosso Eu superior.

  1. Introjeção – estreitamente relacionada com a identificação, visa resolver alguma dificuldade emocional do indivíduo, ao tomar para a própria personalidade certas características de outras pessoas.

Quando buscamos características dos outros para compensar o não acesso as nossas próprias qualidades. Nos relacionamentos esse mecanismo é muito comum, pois buscamos nos completar através do outro, precisamos sempre estar atento que precisamos desenvolver essas características em nós mesmos. O outro serve apenas para nos lembrar que temos todas essas qualidades que por algum motivo estão adormecidas.

  1. Sublimação – parte da energia investida nos impulsos sexuais é direcionada à consecução de realizações socialmente aceitáveis (p.ex. artísticas ou científicas).

Numa ampliação de conceitos, sublimação, pode ser também abrir mão de algo humano por algo “elevado”. A sublimação de um individuo maduro espiritualmente, significa abrir mão de algo bom por algo muito melhor, uma troca do menor para o maior, por ex: quando ajudo ao próximo e isso me dá um prazer real e não um sentimento de frustração  por ter me privado de lazer num determinado dia, então estou na sublimação espiritual, se faço o mesmo movimento, mas motivado pelo dever, obrigação ou por achar certo espiritualmente, ainda estou dando a partir de algo que ainda não possuo, nesse caso estou no mecanismos de defesa da sublimação (num conceito ampliado).  É abrir mão de algo bom por algo ainda não alcançável para a realidade espiritual do individuo.

Lidando com a defesa: Uma prática bastante útil para evitarmos a sublimação, como mecanismo de defesa, é definirmos melhor quem realmente somos. Conhecendo e aceitando as nossas limitações pessoais, não exigimos o que não damos conta ou o que ainda não alcançamos. Mais importante em “estar certos” ou “parecer certos” é sermos verdadeiros conosco mesmo e sempre que possível com o outro. Ser verdadeiros é admitirmos nossas imperfeições humanas e nos aceitarmos no ponto de evolução em que nos encontramos, sem querer ou exigir estar além.

Outros mecanismos de defesas comuns

Fuga – Ocorre durante um período difícil, uma situação aversiva em que a pessoa sente uma necessidade muito grande de remover, sair do incômodo que causa a situação atual. Dormir, devaneios, drogas, hiperatividade, etc.

Muito comum em situações ou fases difíceis, quando estamos insatisfeitos com a vida ou quando acessamos o vazio deixado pela auto alienação de nosso self (Eu verdadeiro), nessas três situações, é muito comum devanear ou fugir. Fazemos isso de diversas formas, dormindo excessivamente, sonhando acordado evitando ação e construção da realidade, drogas, álcool, jogos, internet, trabalhando comendo, comprando, praticando sexo e fazendo exercícios de uma forma exagerada, tudo isso para não entrarmos em contato conosco mesmos e nossos incômodos.

Lidando com a defesa: Quando nos sentirmos assim, frenéticos, inquietos, ansiosos, insatisfeitos ou impacientes usando desses vários recursos, vale sempre perguntarmos: O que esta por baixo disso tudo? O que estou tentando evitar com tanta sofreguidão? Será que não seria melhor enfrentar a dor do que amortecê-la?

Evitação ou esquiva – O indivíduo não está presente, se esquiva das situações. Na presença de um estímulo que tenha sido emparelhado seguidamente por outro estímulo aversivo, a pessoa, a fim de se evitar o estímulo aversivo, volta seu comportamento em direção oposta. Ou seja, o objetivo de um determinado ato e, consequentemente, sua explicação aparente, é fornecido numa proposição das conseqüências aversivas ou indesejáveis que teriam ocorrido se não fossem evitadas pelo ato. As crenças errôneas e superstições estão enquadradas no mecanismo de defesa de esquiva.

Evitamos o que nos é desagradável e nos faz acessar a memórias de experiências incomodas, que evoca sentimentos e emoções perturbadoras. Evitamos confrontar aquilo que nos faz sofrer, o que muitas vezes complica e agrava o sofrimento. Na infância provavelmente não tínhamos recursos para esse enfrentamento, mas como adultos, estamos mais preparados. A evitação também é utilizada para nos afastar de experiências que associamos a situações traumáticas vividas, nesse caso é uma proteção psíquica,  também não resolve e não descongela a emoção associada a memória traumática, nesses casos o individuo preciso procurar ajuda profissional.

Lidando com a defesa: Nos casos mais simples, de cunho mais psicológico que psiquiátrico, a melhor forma de fazê-lo é buscar enfrentar o que se evita de forma progressiva e gradual de acordo com o estado de prontidão para isso. Na “evitação” estou me privando de não desenvolver habilidades e aptidões para o enfrentamento do problemas.

Generalização: o indivíduo coloca no coletivo suas questões internas.

Para não termos que lidar com nossas imperfeições generalizamos esse ponto nas outras pessoas para torná-la mais leve e assim não sofro com minha própria imperfeição, por ex: quando me percebo desonesto, então digo que todo mundo é desonesto e dessa forma abrando minha própria desonestidade e não faço a mudança necessária. Outra forma de generalização muito comum, é que aprendemos a usar desde crianças, por ex, quando nos sentimos traídos por um genitor, podemos “generalizar” dizendo que todos os homens, todas as mulheres ou todas as autoridades irão me trair, dessa forma fica mais fácil controlar a vida e evitar sofrer novamente. Outra forma é quando admitimos algumas falhas genéricas (sou egoísta, orgulhoso…) não assumimos nossas falhas individuais e dessa forma não temos que nos enfrentar e transformar.

Lidando com a defesa: Sendo o mais especifico que pudermos, nomeando, evidenciando, sobretudo para nós mesmos todas as nossas falhas, limitações e imperfeições.

Somatização: dor  psíquica e emocional crônica que chega ao físico. Podem ser doenças ou sintomas isolados.

Um recurso extremo, muito comum, é quando inconscientemente após muitas tentativas de lidarmos com algo perturbador no psiquismo, somatizamos, o que significa dirigir o desequilíbrio para o corpo. É claro que é uma ação inconsciente.

Alguns pessoas em especial somatizam como um recurso usual e corriqueiro para lidar com as ameaças ao ego.

Lidando com a defesa: Uma das emoções mais somatizadas no corpo é a raiva. Devo sempre me perguntar: que raiva é essa que não estou conseguindo lidar?

A tensão crônica é também outra fonte geradora de somatizações, importa também aclararmos as causas dessa tensão para então resolve-las, se possível.

 Por Valdivino Sousa


Valdivino Sousa

Valdivino Sousa é Professor, Matemático, Pedagogo, Contador, Bacharel em Direito e Escritor. Pesquisador sobre Engenharia Didática em Educação Matemática; Modelagem; Construção do Conhecimento em Matemática; Modelos Matemáticos e suas Aplicações. Seu trabalho é reconhecido com Medalha de Mérito como docente pelo Instituto Matematics. É Professor nos cursos de Matemática, Ciências Contábeis, Administração e Engenharia. Dedica-se também a área contábil, com mais de 20 anos de experiência e desde 2005 é Contador responsável da Alves Contabilidade e Consultoria Tributária. Atuante nas seguintes áreas: Tributária, Contábil e das Entidades sem fins Lucrativos. Autor de mais de 10 (dez) livros e têm vários artigos publicados em revistas e jornais especializados nos assuntos de Legislação tributária e contábil. Semanalmente escreve para o portal D.Dez, Jornal da Cidade e Folha Online. Escreve sobre: Educação Matemática e Desenvolvimento da  Aprendizagem.  Site: www.valdivinosousa.mat.br E-Mail: valdivinosousa.mat@gmail.com Cel Whatsap 11- 9.9608-3728.

Mais de Valdivino Sousa

Comentários

Notícias relacionadas

loading...