O baixíssimo nível e a torpeza de Dias Tóffolli

Bastaria dizer que Dias Tóffoli foi criado na militância petista, advogou para o partido e foi assessor de José Dirceu. Pronto, uma definição medonha.

Só que o ministro não diminui o nível apenas nos processos que possivelmente tenha interesse, como aquele do Paulo Bernardo. Dias Tóffoli tem uma conduta social reprovável, onde algumas pessoas o suportam apenas porque é uma alta autoridade da República.

Senão, vejamos o relato de um episódio, ocorrido em 2012, na época do julgamento do Mensalão, entre Tóffoli e um dos mais respeitados jornalistas brasileiros, Ricardo Noblat. 

Quem descreveu os fatos foi o próprio Noblat, em sua coluna no jornal ‘O Globo’, que poderá ser visualizada aqui. Transcrevemos:

‘Acabo de sair de uma festa em Brasília. Na chegada e na saída cumprimentei José Antônio Dias Tóffoli, ministro do Supremo Tribunal Federal.

Há pouco, quando passava pelo portão da casa para pegar meu carro e vir embora, senti-me atraído por palavrões ditos pelo ministro em voz alta, quase aos berros.

Voltei e fiquei num ponto do terraço da casa de onde dava para ouvir com clareza o que ele dizia.

Tóffoli referia-se a mim.

Reproduzo algumas coisas que ele disse (não necessariamente nessa ordem) e que guardei de memória:

- Esse rapaz é um canalha, um filho da puta.

Repetiu "filho da puta" pelo menos cinco vezes. E foi adiante:

- Ele só fala mal de mim. Quero que ele se foda. Eu me preparei muito mais do que ele para chegar a ministro do Supremo.

Acrescentou:

- Em Marília não é assim.

Foi em Marília, interior de São Paulo, que o ministro nasceu em novembro de 1967.

Por mais de cinco minutos, alternou os insultos que me dirigiu sem saber que eu o escutava:

- Filho da puta, canalha.

Depois disse:

- O Zé Dirceu escreve no blog dele. Pois outro dia, esse canalha o criticou. Não gostei de tê-lo encontrado aqui. Não gostei.

Arrematou:

- Chupa! Minha pica é doce. Ele que chupe minha pica.

Esse é o Tófolli, ministro do STF. O que se pode esperar deste cidadão no exercício do cargo.

Para encerrar, nesse relato Noblat postou o vídeo que supostamente despertou a ira de Tóffoli. Abaixo veja o vídeo.

da Redação

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça

loading...