Roberto Corrêa Ribeiro de Oliveira

Médico anestesiologista, socorrista e professor universitário

Já que os operários não lutam pelo comunismo, utilizemos as minorias sociais

É isso mesmo, o sonho de destruir o capitalismo através da luta de classes, utilizando os operários, foi um verdadeiro fracasso.

Karl Marx (1818 - 1883), não contava com o desinteresse da categoria pela implantação do comunismo, ocasionado pela melhoria nas condições de trabalho e no consequente aumento da qualidade de vida proporcionada pelo aumento na renda dos trabalhadores.

Décadas depois, surgiu na Itália, outro pensador comunista, Antônio Gramsci (1891 - 1937), que compreendeu que o melhor lugar para se travar a batalha para a implantação da ideologia comunista, deveria ocorrer no campo das ideias e não no campo de batalha.

A hegemonia cultural, proposta por Gramsci, visava utilizar as instituições culturais para divulgar as suas ideias comunistas e consolidar-se no poder.

Não podemos negar, que a segunda estratégia proposta por Antônio Gramsci, saiu-se vitoriosa, visto que ainda é o método utilizado atualmente pelos simpatizantes desta ideologia.

Adaptar-se foi preciso. Ao invés de convencer a sociedade de suas "novas" idéias, optou-se por criar uma "nova" sociedade com idéias diferentes (a deles é claro).

A guerra seria vencida sem ser dado um único tiro. 

Professores em todos os níveis trabalhariam as cabeças de nossa juventude, artistas de televisão, cinema, teatro e música divulgariam suas ideias, movimentos religiosos, mais de esquerda, também teriam um papel decisivo nesta empreitada.

Não podemos nos esquecer do envolvimento dos meios de comunicação de massa que por diversos motivos ( ideológico e econômico) se comprometeram com o projeto.

Traçada a estratégia de dominação e doutrinação, ficou fácil convencer as minorias sociais a lutar à seu lado, convencendo-os, que o comunismo é o escudo que os protegerá.

Trocou-se o exército proletário de Karl Marx, pelos grupos de minorias sociais de Antônio Gramsci.

Quer um exemplo do que digo?

Observe a intensa campanha à favor da diversidade de gênero implementada pelos meios de comunicação e pelo sistema educacional brasileiro atualmente.

Somos massacrados do raiar do sol ao seu pôr, por mensagens subliminares de aceitação de gays, travestis, transgêneros.

O mesmo está sendo feito em relação a uma melhor aceitação a nova onda de imigração de povos islâmicos para países ocidentais.

Precisamos ficar atentos. Precisamos proteger a nossa sociedade e a nossa juventude desta manipulação desenfreada.

Conhecer a tática do inimigo é um passo importante rumo à Vitória.

Roberto Corrêa Ribeiro de Oliveira

Médico anestesiologista, socorrista e professor universitário

Mais de Roberto Corrêa Ribeiro de Oliveira

Comentários

Notícias relacionadas

loading...