Polícia prende novo ejaculador, promotora pede a soltura e juíza libera

Para o Ministério Público e o Judiciário ejacular em mulheres sem permissão é definitivamente uma prática sem maior gravidade.

Um novo caso ocorreu em Recife (PE). A polícia prendeu o autor do ato, mas  a promotora Tathiana Barros Gomes pediu a conversão da prisão em concessão de liberdade provisória. A juíza Roberta Barcala Batista Coutinho acatou o pedido, alegando que o réu é primário, registra bons antecedentes e reside no mesmo endereço desde o nascimento. 

As duas mulheres, promotora e juíza, entenderam que o crime de estupro não ficou caracterizado.

Tudo não passou de mero constrangimento, estabeleceu a decisão.

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Policia

loading...