Robson Belo

Filho do Amazonas, Manauara, formado em Psicologia pelo UNINORTE - Centro Universitário do Norte – Laureate International Universities, atuante na área da saúde em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC); supervisor e consultor clínico a graduandos e profissionais que desejam aplicar as técnicas cognitivo-comportamentais em prática psicoterapêutica. Habilidades em saúde mental com a especialização nos aspectos psicopatológicos compreendidos nos Transtorno Mentais pela Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL, como nas temáticas teóricas e interventivas dos processos educacionais, educacionais especiais e nas dificuldades de aprendizagem mediante experiências no ambiente escolar, laboratorial - em Núcleo de Pesquisas (NEPPD/UFAM) –, e claro no setting terapêutico.

Talentos e Talentosos – Superando a Crise

Pensar no ano de 2015 dentro de uma ótica construtivista de nossas vidas é pensar em geral em que tipo de realidade é a que vivemos. Estamos vivendo uma crise institucional sem precedentes, economia em queda e a realidade de uma relativa (técnica) recessão, como conseqüência disso o arrocho. Economia é o ponto central do cotidiano de qualquer nação, portanto, na vida de qualquer pessoa – ela conduz a sociedade.
Há tempos venho em minhas palestras difundindo uma tríade de idéias: metas, autoeficácia e criatividade. O que se busca em tempos difíceis é transformá-los em anos de novidades; como assim? Anos de arrocho, são anos em que oportunidades ficam mais escassas e negócios quebram. Mas, um negócio precisa realmente quebrar? Oportunidades realmente deixam de existir?
O ano de 2015 é um ano importante para uma grande reinvenção: precisamos reinventar um novo país, e isso começa pela reinvenção de cada um de nós. Eu falo de inovação, motivação e criatividade.
Conhece-te a ti o mesmo como prescrito por Sócrates na busca de questionamentos necessários sobre si. Quem eu penso ser é realmente quem sou? 
Primeiro passo: quem você pensa que é na verdade quem você realmente é?
Segundo passo: desperte sua consciência: o que você quer da vida?
Terceiro passo: o mundo esta em constante transformação então você não acha que deva se transformar também?
Em uma realidade difícil como a atual, diria que a minha previsão pessoal para se construir um cenário diferente envolve perceber e aplicar TALENTOS. 
Grande ponto aqui é a nossa capacidade de nos adaptar. Começa aqui um treinamento importante para nos movimentarmos em direção a um futuro mais promissor. 
Em geral ocultamos informações valiosas de nós mesmos: mecanismos de defesa puros e distorções da realidade para nos manter sóbrios sobre nossas deficiências mais latentes. 
Podemos nos ver em graus limitantes de incompetência ou deficientes de talentos, ou podemos nos ver em tons de cores fortes e quentes como pessoas altamente competentes e sem deficiências o que também podem gerar graves problemas.
Na parábola do Cristo, em uma de suas tantas interpretação sobre os Talentos o que aprendemos é que o medo propicia a fuga e essa fuga afugenta a motivação, nos levando a esconder talentos, ou exacerbar-los concorrendo à diminuição da capacidade crítica.
Todos nós temos talentos, é uma inclinação natural ou aprendida para realizar. Muito quando se discute o tema ‘empreender’ – fazer –, se discute ‘obra’ como na perspectiva do Educador e Filósofo Mario S. Cortella, obra nada mais é aquilo que você construiu durante a vida e isso independente do resultado financeiro ou status, é mais uma construção de si-mesmo –, e pode e deve ao fim gerar as riquezas necessárias para cada um.
O que você quer da vida? Interessante salientar que grande parte das pessoas nunca se planejou, não esquadrinhou seus passos através de metas. Na atual sociedade a qual nós pertencemos há uma dicotomia: ora por grupos que se constroem por excesso de passado e outro grupo por excesso de futuro, quando o passo é entender o aqui agora. 
Em meio à turbulência, do estrangulamento do mercado de trabalho e de arrocho econômico, é muito fácil cair no desespero e desistir. Como cultivar em terra seca? Muitos falham por não compreender o cenário sociopolítico-econômico do país e fazer investimentos que não se fazem condizentes com o contexto. Pior quando se acredita que não se tem como mudar trajetórias ou que não se precisam mudar os mesmos. Você tem fome de que?
Quando um agricultor se viu em solo árido este pensou: “aqui é infértil” e ele se mudou. Quando outro agricultor se viu em solo árido este pensou: “plantas crescem com água, como posso trazê-la até aqui e fazer meu plantio?”.
Antes de desistir é sempre bom se perguntar: HÁ COMO?
Uma semente é plantada hoje e germina para o futuro; engraçado que nunca se pensa na planta que nunca fora cultivada - o foco é a que foi plantada neste instante-, e nem tão pouco há uma preocupação sobre se ela germinará.
Você é bom em que? Há alguma maneira de associar seu talento com outros talentos e mais, há como associar seu talento como seu trabalho atual? Amplie sua percepção, ampliando seus conhecimentos.
Se pararmos para pensar, o primeiro agricultor só sabia plantar e colher e por isso desistiu, já o segundo tinha conhecimentos (talentos) a mais que o levaria a motivar-se a permanecer em solo tão infértil e prosperar e por isso pensar na planta que não nasceu, mas que poderia germinar. É como nos sugere Edgar Morin em “A vida da Vida”: “todo progresso da ação favorece o conhecimento, e todo progresso do conhecimento favorece a ação”, é que o deveríamos fazer para crescer –, é mais que hora de inovar (criatividade) – é preciso uma grande base de “cultura geral”.
A autoeficácia é um ponto-chave para equilibrar as ações, é o fator que difere aquele que desiste de primeira a aquele que investe mesmo com riscos. Acreditar num projeto e na competência pessoal pode abrir portas, mas crer em si é o primeiro a capacidade de investir na própria formação e na imagem profissional. 
Ser bem remunerado pelo que se faz acontece apenas pelo agenciamento dos talentos, competência, autoeficácia e ética, esse último desvalorizado, mas, de extrema importância na abertura de relacionamentos de confiança. 
A água em que você se banha nunca é a mesma, e assim é a realidade. Todos os dias a realidade se transforma e consigo a consciência. Tabus são derrubados e outros são constituídos, idéias vêm e se tornam sucesso e logo depois passam a ser démodé. As pessoas lá fora também sofrem do mesmo fenômeno, afinal, estamos alinhados à cultura, então não é “privilégio” seu.
Entendo que tudo começa pelo aparo pessoal, como um bom currículo (história profissional) perpassa primeiro na nossa imagem profissional e nossa imagem profissional é um produto ótimo de Marketing. Não há milagres ou jeitinhos para se conseguir um emprego ou se destacar para um contrato de trabalho particular, ou você é uma grande marca (pela competência e/ou reputação), ou o simples crer se torna insuficiente e acredite, não irá ajudar.
Uma grande marca não se massifica de um dia para a noite e nem acontece por apenas existir (cuidado com (co)modismos); coexiste com a responsabilidade, dedicação e correção no oferecimento de um serviço seja ele qual for.
 Estude! Vá além da prescrição que se adequou a formação original. Trabalho e estudo estão associados – conhecimentos não estão isolados. Quando estudamos, construímos pontes para a formação de novos talentos, e quanto mais talentosas nossas ações, maior progresso nós vamos alcançar. 
Para se ter um ano favorável em meio a tantas crises a serem enfrentadas, o ponto de mutação será simplesmente e não tão fácil de fazer, a mudança de perfil profissional, realize um caça-talentos particular, crie um Check List de suas habilidades e deficiências, mude e reinvente-se! Não se esqueça nunca de vislumbrar o futuro, a partir dos cuidados com o presente. 
Robson Belo
Psicólogo, Psicopatologista e Psicoterapeuta
Clínica, Educação e Empregabilidade



                 https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

Robson Belo

Filho do Amazonas, Manauara, formado em Psicologia pelo UNINORTE - Centro Universitário do Norte – Laureate International Universities, atuante na área da saúde em Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC); supervisor e consultor clínico a graduandos e profissionais que desejam aplicar as técnicas cognitivo-comportamentais em prática psicoterapêutica. Habilidades em saúde mental com a especialização nos aspectos psicopatológicos compreendidos nos Transtorno Mentais pela Universidade Cruzeiro do Sul - UNICSUL, como nas temáticas teóricas e interventivas dos processos educacionais, educacionais especiais e nas dificuldades de aprendizagem mediante experiências no ambiente escolar, laboratorial - em Núcleo de Pesquisas (NEPPD/UFAM) –, e claro no setting terapêutico.

Mais de Robson Belo

Comentários

Notícias relacionadas

loading...