A parábola do CU

Certa vez os órgãos do corpo pararam pra discutir qual deles era o mais importante no corpo humano. Uma discussão que corria acalorada, porque cada órgão dava suas razões para ser o mais importante.

- Eu sou o mais importante! - determinou o cérebro. - Eu sou aquele que pensa em tudo e comanda todos os outros!

O coração ficou puto... Acelerado, tratou de reivindicar o primeiro lugar em importância.

- Para com isso, cérebro! O mais importante sou eu! Sou eu quem bombeia sangue pra poder você funcionar. Sem mim tu é um bosta!

- Calma lá! - disse o intestino - De bosta quem entende sou eu, e se não é por mim, quem iria eliminar aquilo que não serve para o corpo? O mais importante sou eu!

Os rins se manifestaram, e falaram em uníssono:

- Cala a boca, coração! Você não sabe o que está falando! Somos nós que filtramos o sangue que você bombeia. Se não fosse por nós, você e o cérebro estavam lascados.

Lá do fundinho, bem do fundinho mesmo, o afastado e isolado cu faz um bico e se manifesta com uma voz bem fininha, que soou num peido...

- Eu sssssssssssssssssou o maissssssssssss imporrrrrrrrrrrrrrrotante!

Todos riram. A gargalhada foi geral. O cérebro foi o primeiro a sacanear...

- Tu, cu? Tá maluco? Você é um fedido que vive nas sombras! A única coisa que você faz é merda! - Todos riram.

O cu, coitadinho, ficou tão invocado com a humilhação, que resolveu dar o troco. Se fechou de um jeito que não passava nem agulha! Nada de dentro pra fora e nada de fora pra dentro. Nem supositório pra minhoca passava ali!

No primeiro dia ninguém sentiu muito a greve do cu. No segundo dia o cérebro já não parava de pensar só no que fazer. No terceiro dia o intestino começou a entrar em colapso por causa da superlotação... No quarto dia o coração começou a disparar... No quinto dia o sujeito foi ficando amarelo e os órgãos, um a um foram entrando em paranóia. E o cu ali, fechadinho da silva. Nem com ele...

No sexto dia já estava todo mundo pedindo pelo amor de Deus para o cu abrir só um pouquinho. O intestino já chorava compulsivamente, o coração começou a sentir os efeitos da pressão, o cérebro entrou em paranóia, as pernas do sujeito já não obedeciam, até que alguém gritou:

- PORRA, CU! VOCÊ É O MAIS IMPORTANTE! AGORA ALIVIA!!!!!!

E o cu se sentindo o dono do mundo deixou primeiro passar um peido, fez um pouquinho de bico e deixou passar tudo o que estava prendendo, e se sentindo glorioso. Todos reconheceram a importância do cu e sua relevância para o corpo, passando a atender a todas as suas reivindicações.

Bom, é isso mais ou menos que está acontecendo agora conosco. O Temer como o cérebro, os parlamentares como o coração e a Petrobrás como o intestino, acharam que os caminhoneiros eram o cu do Brasil. O resto você já sabe porque já leu a história.

Siga-nos no Twitter!

Mais de Marcelo Rates Quaranta

Comentários

Notícias relacionadas