Triste fim de carreira: Humilhado por um advogado indecente e abobalhado

O que o infame Cristiano Zanin fez com o ex-ministro Sepúlveda Pertence não se faz. É degradante e inaceitável.

Ocorre que, certamente percebendo a dificuldade de conseguir a liberdade para o ex-presidente Lula, Sepúlveda, na quinta-feira (21), apresentou memoriais ao Supremo Tribunal Federal (STF), requerendo a prisão domiciliar para o petista, como alternativa para o caso dos ministros da 2ª turma não entenderem pela suspensão dos efeitos do acórdão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

No final da noite do mesmo dia, o outro defensor de Lula, o abobalhado e indecoroso Cristiano Zanin, logo após ter tomado conhecimento da iniciativa de Sepúlveda, desautorizou o ex-ministro e em nota divulgada disse que a defesa do ex-presidente não tinha interesse na prisão domiciliar.

O texto de Zanin:

“O ex-presidente Lula está pedindo nos recursos dirigidos aos tribunais superiores o restabelecimento de sua liberdade plena, porque ele jamais praticou qualquer ato ilícito.
A condenação imposta ao ex-presidente pelo juiz Sergio Moro e pelo TRF-4 afronta a Constituição Federal e a lei. A defesa de Lula não apresentou ao STF ou a qualquer outro tribunal pedido de prisão domiciliar.”
Após tais fatos, humilhantes para o ex-ministro, ao ser repreendido publicamente por um almofadinha inconsequente, imaginávamos que finalmente um fio de dignidade fosse acometer Sepúlveda e ele, no mínimo, fosse abandonar a defesa do meliante petista.

De fato, era esta a sua pretensão, conforme narra o painel da Folha:

O fato é que mesmo após a vexatória afronta, Sepúlveda foi ‘convencido’ a prosseguir na defesa do presidiário.

Os argumentos devem ter sido convincentes.

É o triste fim de carreira.

80 anos de idade, rico, mas desmoralizado.

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça