O Risco PT nunca pode ser ignorado

A Petelândia é uma seita cujo “deus” é um Estado Canalha e Ladrão que promete resolver todos os seus problemas, desde que você acredite, fanaticamente, em santos do pau oco que juram trabalhar pela “revolução” do proletariado (termo genérico que designa um bando que odeia trabalhar pela produção, mas que adora ganhar um bom capital, de preferência sem nada fazer, por benesse estatal).

Essa definição fica clara depois que se assiste a um vídeo de propaganda estrelado pelo ideólogo-mor da Petelândia José Dirceu de Oliveira e Silva.

Por mera coincidência que não existe, logo depois que foi tirado da cadeia pela segunda turma libertária do Supremo Tribunal Federal, Zé Dirceu retorna do limbo lançando seu livro de memórias – que ele diz ter escrito na cadeia. Que maravilha! Já temos um Gramsci tupiniquim – sem a qualidade do original italiano.

A coincidência da libertação do ideólogo-escritor com o anúncio da propaganda do livro de “relatos de lutas” do anjo Zé Dirceu, do deusinho Lula e da igrejinha do PT apenas comprova o grau de articulação e capacidade de atuação subterrânea de um partido-religião – que só parecia morto e acabado na cabeça de quem não tem a mínima capacidade de avaliação e leitura política. A Petelândia está com tudo e muito prosa!

O próximo passo é o registro de uma candidatura para disputar a Presidência da República. Por enquanto, até 15 de agosto, vai ser encenada a farsa do ‘Presidentro’ Lula como candidato à sucessão temerária. Lula não será candidato. Mas o que ele simboliza vai disputar o Palácio do Planalto. Quem vai para o pau é o Fernando Haddad. Ele será o “candidato do Lula”... A seita PT confia na capacidade eterna de fidelizar 25% a 30% do eleitorado que veste a grife ou segue a religião de canhota.

O PT tem grande chance de derrota pelo desgaste acumulado pelo Efeito Lava Jato. No entanto, os ideólogos petistas enxergam o longo prazo. Nos anos de roubalheira, os deuses da máquina partidária acumularam fortunas – providencialmente escondidas no exterior. Quem pode muito bem explicar a sacanagem é o “traidor” Antônio Palocci Filho. Mesmo com a delação dele, dificilmente a maior parte da grana malocada no exterior será descoberta. Parte dela já até retornou ou vai voltar ao Brasil disfarçada de “investimentos estrangeiros”...

Resumindo: a seita Petelândia tem o poder da grana e o potencial da sedução sobre uma militância fanática para seguir existindo. O espectro do PT continua assombrando o Brasil. Na avaliação de seus ideólogos, pode não vencer a eleição deste ano. Porém, segue resistente para futuras vitórias.

Por exemplo concreto, o PT aposta em dois acontecimentos: Primeiro, uma vitória do Jair Bolsonaro agora... Depois, um imenso desgaste do governo dele... O PT está pronto para sua especialidade: a oposição covarde e destrutiva... No fim, é só esperar o desastre para pavimentar o retorno triunfal da esquerda ao poder, na eleição de 2022.

Remember: a Petelândia tem muita grana para investir no caos e aguardar o retorno programado ao poder. Tal cenário é bem possível e provável, porque o Brasil é um País Capimunista, Rentista e Corrupto, apaixonado por uma espécie de “socialismo moreno”. A cultura é “Estadodependente”... Não há previsão de que tal característica mude abruptamente.

É por isso que o risco PT não pode ser ignorado. A partir de 2019, o Brasil será obrigado a encarar a continuidade de uma brutal crise estrutural... A Petelândia aposta todas as moedas de ouro neste caos... Esta é a chance de recuperar a hegemonia política, em um prazo razoável de cinco anos...

O mais difícil da “missão” será inventar um novo líder-religioso, nos moldes de um $talinácio, para substituí-lo... Mas as pré-condições histórico-culturais estão aí para permitir tal “milagre”...

A novela sobre o “Lula-Livre” (com encenação prevista para agosto/setembro) facilitará a estratégia de campanha petista de olho no futuro...

(Texto de Jorge Serrão)

Publicado originalmente em Alerta Total

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Política