assinante_desktop_cabecalho
assinante_desktop_menu_principal

Caso “Favreto” será decisivo em ação do MBL que pede definição sobre a inelegibilidade de Lula

Ler na área do assinante

Está nas mãos do ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Admar Gonzaga, ação proposta pelo Movimento Brasil Livre (MBL) que deve sacramentar de vez a situação de inelegibilidade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Na ação denominada ‘Arguição de inelegibilidade com pedido de tutela provisória de evidência’, o advogado Paulo Henrique Franco Bueno pede a concessão de liminar no sentido de que seja declarada, desde já, a incontroversa inelegibilidade de Lula, desta forma impedindo o registro de sua candidatura a qualquer cargo, a prática de atos de campanha e a inclusão de seu nome em pesquisas de opinião pública.

Na robusta argumentação apresentada, o imbróglio provocado pelo desembargador petista Rogério Favreto foi utilizado pelo MBL para justificar a necessidade da concessão imediata da medida liminar. Veja abaixo:

Apenas para ilustrar, lembremos de recente decisão tomada pelo Desembargador Rogério Favreto, do E. TRF-4, que, em plantão judiciário no dia 08 de julho p.p. - concedeu habeas corpus em favor do Requerido e determinou sua imediata soltura sob o argumento de que "o paciente possui o direito de se candidatar a cargo eletivo. E, no estágio atual, a ilegal e inconstitucional execução provisória da pena imposta ao Ex-Presidente Lula não pode lhe cassar os seus direitos políticos, tampouco restringir o direito aos atos inerentes à condição de pré-candidato ao cargo de Presidente da República" (HC 5025614-40.2018.4.04.0000/PR).
A Eminente Ministra Presidente do Colendo Superior Tribunal de Justiça, Laurita Vaz, asseverou que a decisão do Desembargador Favreto foi teratológica, sendo que no dia 11 de julho o C. ST J negou 143 (cento e quarenta e três) habeas corpus que pretendiam a libertação do Requerido, todos impetrados após a absurda decisão do plantonista do TRF-4.
Destarte, resta clara a insegurança jurídica sob a qual se encontra a sociedade, pois não tem certeza sobre a eventual possibilidade de candidatura do Requerido.
Cabe a esse Egrégio Tribunal Superior Eleitoral pacificar a questão, declarando desde já a evidente inelegibilidade do Requerido, impedindo-o de registrar sua candidatura e, sobretudo, impedindo-o de praticar quaisquer atos de campanha.

O ministro Admar Gonzaga, relator do processo, que irá decidir sobre a concessão da liminar, noutra oportunidade manifestou-se favorável à definição imediata do assunto.

Assim acredita-se que esta semana já teremos a análise sobre a questão e o deslinde da situação eleitoral de Lula.

da Redação
assinante_desktop_conteudo_rodape

Comentários