As Coisas da Fazenda, São Tão Especiais - em show minimalista, Jonavo apresenta "Casulo" aos conterrâneos

Bom dia!

“Bom dia, pras coisas da fazenda”...

Pit de Souza e Jonavo
Pit de Souza e Jonavo
Foto: jhmirandasa
Ontem o auditório do MARCO – Museu de Arte Contemporânea de Mato Grosso do Sul - fincado no solo sagrado do Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande - MS, - fez-se pulmão de esperança e fé, de que melhoramos sim, dia-a-dia, devagar e sem pausas. Jonavo, ao lado de Pit de Souza, músicos prata-da-casa, apresentaram , juntos e generosamente, seu novo trabalho, “Casulo”, ao povo da terrinha.

Inspirou nos presentes a certeza de que a música local dispõe duma nova safra de profissionais gabaritados – pelo dom intrínseco e pela disposição à transpiração – a receber da velha guarda, o bastão que traz em si, na essência, a chama e a alma dum povo tão especial.

Pit de Souza
Pit de Souza
Foto: jhmirandasa

E a velha-guarda não poderia ser melhor representada.Na plateia pude confirmar a presença de Paulo Simões, João Fígar, Fábio Terra (O Corvo), isso pra falar só nos músicos. Convidados do quilate de Gilson Espíndola, subiram ao palco, em aval indiscutível ao trabalho proposto por Jonavo.

Faço aqui ressalva à execução primorosa e emocionante duma linda versão de Santa Branca, de Geraldo Roca, que o invocou e o fez presente entre nós, no pulso e em luminosos recuerdos, o inesquecível, trabalho eternizado no mítico álbum Tetê e o Lírio Selvagem, de 1978, por Geraldo Espíndola.

Arthur Rostey e Matheus Augustus foram os convidados representantes da nova safra, que mostraram a que vieram - a seu tempo e cada qual à sua maneira - no que ouso chamar duma comunhão abençoada pelo amor à música, e coroada pelo talento.

Foto: jhmirandasa
“O simples resolve tudo”... quem pôde comparecer, foi presenteado com música de excelente qualidade, fluindo mansa e densa em ambiência cuidadosamente preparada esmero, zelo e amor; com simplicidade e bom-gosto, típicos de quem já sabe e traz em si e lição do poeta, lembrado com carinho em referência (e deferência) hilária, Renato Teixeira.

Feliz, bem-aventurado é Jonavo na direção que deu à vida, na carreira crê ter escolhido, e que estou convencido, escolhido pela arte, foi ele...

Feliz de quem pôde comungar daqueles momentos vividos ontem. Momentos sagrados e que serão pra sempre lembrados.

Agradeço, em nome de todo o povo, aos envolvidos do projeto “Casulo”, por tudo que ele representa pra nós. Todo aquele que busca crescimento e depuração, sentir-se-á diante dum espelho à audição de “Casulo”: muito obrigado!

Jonavo
Jonavo
Foto: jhmirandasa

João Henrique de Miranda Sá

Jornalista independente em Campo Grande - MS.

Siga-nos no Twitter!

Mais de João Henrique de Miranda Sá

Comentários