O “Café da Comunhão” de um canastrão

Considerando que a nossa pátria amada está infestada de canalhas e de bandidos, ou os homens e as mulheres de bem e do bem assumem imediatamente essa pobre nação, ou seremos escravizados para sempre por essas corjas de malfeitores que se aboletaram nos três podres poderes dessa República.

A justiça acaba de determinar o bloqueio de R$ 3 milhões do prefeito do Rio, Marcelo Crivella, e de outros 8 investigados.

O ‘bispo’ é suspeito de improbidade administrativa. O caso envolve contrato do Ministério da Pesca, na época em que Crivella comandava a pasta.

“Percebo fortes indícios de irregularidades cometidas no âmbito do contrato”, disse o juiz na decisão.
O verdadeiro inferno astral do prefeito teve mais um revés nesta segunda-feira (16).

Crivella foi proibido de, entre outras coisas, utilizar a máquina pública municipal para a defesa de interesses pessoais ou de seu grupo religioso.

A ação foi proposta pelo Ministério Público do Estado depois da revelação de que Crivella convidou pastores e líderes de igrejas evangélicas para um evento ofereceu privilégios e vantagens pessoais, como realização de cirurgias de catarata, vasectomia, varizes e isenções de IPTU dos imóveis utilizados pelos pastores das igrejas.

“No caso em exame, as vantagens oferecidas pelo demandado a pastores e líderes de igrejas evangélicas, na reunião intitulada “Café da Comunhão”, não foram permitidas por lei, razão por que a conduta imputada ao réu provavelmente ofendeu o princípio da legalidade”, diz a decisão.

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça