O silêncio da grande imprensa com relação à “mesada” de Toffoli é mais grave que qualquer Fake News

Quem cala... Consente!

O momento atual é espantoso, pela gama de fatos impensáveis que pululam nos noticiários, a toda a hora.

Submetida a bombardeio psicológico implacável, a sociedade retrai-se, paralisada pela perplexidade. É que o tempo de reação é sempre maior do que a velocidade com que evolui o cenário, o que ajuda a resguardar até mesmo evidências das mais insólitas anomalias.

Recentemente, uma revista eletrônica denunciou a existência de conta bancária em nome de um ministro da Corte Suprema, na agência de Brasília de um banco pouco conhecido, onde receberia depósito mensal de R$ 100 mil.

A falta de repercussão surpreende, e o silêncio da mídia é ensurdecedor. Sintomática, também, é a ausência do Ministério Público, órgão de pertinaz diligência ao revolver casos antigos, extintos pela Lei da Anistia. A única providência conhecida foi uma proposta precipitada de “impeachment”, feita por um parlamentar. Porém, o silêncio mais retumbante é o da parte interessada.

A omissão de resposta a uma acusação dessa gravidade leva a excluir as hipóteses de calúnia ou difamação. Afinal, está consagrado na consciência popular, que: “Quem cala, consente”.

A propósito, a palavra de ordem da grande mídia, que se acostumou a transformar informação em opinião, é de alerta geral contra as “fake news”, o que também ajuda a abafar o caso.

Desde que não há efeito sem causa, o assunto permanece em aberto, para reflexão. Como é possível, hoje em dia, evitar a orquestração de um escândalo?

Enquanto isso, rola na massa o outro ditado: “Onde há fumaça, há fogo”.

(Texto de Maynard Marques de Santa Rosa. General de Exército, na reserva.)

Artigo publicado originalmente no Blog Alerta Total

da Redação

Comentários

Leia mais...

Mais em Opinião