Quem está por trás da armadilha montada para Bolsonaro no “Roda Viva”?

Apesar da polêmica gerada pela “entrevista’, melhor (santa) “inquisição” de Bolsonaro, no Programa Roda Viva, da TV Cultura, dia 30, onde o mediador do citado programa, na pessoa do ex-terrorista do MR-8, Ricardo Lessa, convidou “a dedo” para compor a mesa só entrevistadores “antibolsonaristas” com viés ideológico de esquerda, algo de muito importante, com graves implicações políticas, tem passado completamente despercebido.

Não resta nenhuma dúvida que o citado “Roda Viva” foi montado como uma espécie de “armadilha” para o entrevistado, que apesar de tudo soube contorná-la com maestria.

Foi um programa de extrema parcialidade. Em nenhum momento procurou-se saber o que o referido candidato pensava a respeito dos mais graves problemas atravessados pelo Brasil, e o que pretenderia fazer, caso eleito.

A ideia, tanto do mediador, quanto dos entrevistadores, era uma só: “esculachar” Bolsonaro ao máximo. Mas não conseguiram.

“Armação” seria a melhor palavra para definir a armadilha que montaram na tentativa de “pegar” Bolsonaro.

Mas qual teria sido a “hierarquia” dessa “armação”?

É fácil saber. A TV Cultura é uma organização vinculada diretamente à “Fundação Padre Anchieta”, instituída pelo Estado de São Paulo em 1976. Portanto essa entidade, na qualidade de “fundação pública”, embora de direito privado, também integra a Administração Indireta desse Estado, beneficiária de dotações orçamentárias.

Trocando em miúdos, não há como esconder que o real “manda-chuvas”, tanto da Fundação Padre Anchieta, quanto da TV Cultura, é o Governo do Estado de São Paulo.

Mas qual o partido e quem governa o Estado de São Paulo há mais de vinte anos?

Hoje é perfeitamente sabido que o PSDB é um partido politico de esquerda, ‘aleijada’, é bem verdade, mas de esquerda.

A eterna disputa que o PSDB tem com o PT é só para “inglês ver”. Qualquer um que vencer garante a esquerda no comando. Poder-se-ia até afirmar, sem medo de erro que, reciprocamente, cada um é o “plano b” do outro.

Alguém poderia supor que o “Tribunal da Santa Inquisição” que sentou nas cadeiras dessa edição do “Roda Viva”, porventura não teria as “costas quentes” para fazer o que fez com Bolsonaro, em relação à direção da TV Cultura e ao próprio Governo do Estado, em mãos de Geraldo Alckmin, do PSDB?

Em última análise, quem seria o último responsável pela armadilha montada para “pegar” Bolsonaro, tentando derrotá-lo antecipadamente? Não estariam agindo em conluio as “quadrilhas” do PT e do PSDB, tentando desestabilizar Jair Bolsonaro?

Sérgio Alves de Oliveira

Advogado, sociólogo,  pósgraduado em Sociologia PUC/RS, ex-advogado da antiga CRT, ex-advogado da Auxiliadora Predial S/A ex-Presidente da Fundação CRT e da Associação Gaúcha de Entidades Fechadas de Previdência Privada, Presidente do Partido da República Farroupilha PRF (sem registro).

Mais de Sérgio Alves de Oliveira

Comentários