Na véspera da audiência, Gilmar dá guarida a "malandragem" da defesa de Jacob Barata

O ministro Gilmar Mendes mais uma vez atendeu a um pleito de ‘urgência’ do empresário Jacob Barata Filho, dando guarida a uma sórdida manipulação montada pelos advogados.

Na véspera da audiência, que estava marcada para esta quarta-feira (8), os ilustres causídicos protocolaram uma petição, com pedido de liminar para suspender a ação, sob a alegação de que a tramitação começou na 5ª Vara Federal Criminal do Rio e depois foi transferida para a 7ª Vara Federal, para as mãos do juiz Marcelo Bretas.

A defesa de Barata teve um longo tempo para questionar a tal transferência de uma vara para outra, – que se deu por dependência, vez que na 7ª Vara tramita um outro processo onde Barata é investigado por corrupção no esquema de Sérgio Cabral - mas decidiu fazê-lo justamente na véspera do dia marcado para a audiência, o que demonstra a clara intenção de obstruir o andamento normal da Justiça.

E o ministro, prontamente, concedeu a liminar.

Agora, caberá ao Supremo Tribunal Federal (STF) decidir qual a vara competente para julgar esta ação, onde o empresário responde ao crime de Evasão de Divisas, por ter sido preso em flagrante quando tentava embarcar para o exterior com R$ 40 mil não declarados.

Com isso, a defesa de Barata consegue protelar o andamento do processo por um longo tempo. É tudo o que eles querem. Protelar, obstruir e ganhar tempo.

Lamentável que obtenham a proteção de um ministro do STF para esse tipo de advocacia, cheia de malandragem.

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça