Mantega, que ainda está solto, teve 307 encontros com Marcelo Odebrecht, durante 4 anos

A cada quatro ou, no máximo, cinco dias, o então ministro da fazenda de Dilma Rousseff, Guido Mantega, tinha um encontro com o empresário Marcelo Odebrecht.

O que poderia justificar tantos encontros de um ministro da fazenda com um empresário, dono de uma empresa que prestava serviços para o governo.

A Polícia Federal está rastreando essa relação havida entre o ministro e o empresário.

O ex-ministro, por sua vez, certamente atua para apagar os vestígios das coisas escusas que tratou com Odebrecht.

Por isso, Mantega deveria estar preso há muito tempo.

Inadmissível que permaneça solto e atuando diretamente contra a Lava Jato.

Um trecho da denúncia apresentada contra Mantega e Palocci é dedicado a essas 'reuniões' com Marcelo:

“A elevada quantidade de encontros destoa completamente de uma relação sadia e proba entre um ministro da Fazenda e um alto executivo de um grupo empresarial”.

Os rumores são todos no sentido de que a voracidade de Guido na captação de propina era descomunal.

Palocci era mais comedido. Um ‘bandido’ mais ‘ético’.

Guido desconhecia completamente os limites da sensatez.

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça