desktop_cabecalho

Intervenção militar? Nada disso. Inteligência "versus" burrice

Ler na área do assinante

No decorrer das crises que se sucederam no curso dos últimos anos - e de modo especial durante o movimento dos caminhoneiros, assisti várias e consistentes manifestações populares pedindo que as forças militares fizessem intervenção pela força, para realizar uma assepsia política nas estruturas de poder.

Inúmeras vezes e por meio de diversas e estreladas fontes assisti e ouvi, também, às respostas da caserna, vindas de patentes de "alto coturno", todas no mesmo sentido, de forma clara:

"- A saída da crise só pode ser e será pelo voto!"

E está se configurando esse enredo, com as coisas ficando bem claras.

Dois militares de formação Bolsonaro e Mourão se apresentam como franco favoritos na reta de chegada deste páreo eleitoral.

E intuo que será em rodada única. Com lucidez, discernimento, esperteza, fineza, perspicácia, raciocínio, sagacidade; se vencerem, vão honrar a democracia e deixar a classe política apodrecida sentada no chão sem discurso e sem bandeira.

Num tiro só, vão aposentar toda uma geração de lobos sedentos pelo poder. Literalmente vão tirar a escada e deixar a "corja" pendurada no pincel. Sem golpe, sem desrespeito à ordem Constitucional, sem uso da força. Nos braços do povo. Tudo anunciado antes, de forma clara:

"- Obediência à soberania popular".

Engraçado nisso tudo é ver o "sistema Globo" ajustar as velas aos novos ventos.

Devagarinho! Bem devagarinho... A senha da mudança está dada. Dois civis. Pelo voto! Inteligente, não?

P.S. (Explicando para quem não consegue interpretar um texto : não defendo e nem condeno os candidatos referidos nesse post. Apenas digo que a “elite” militar pode tomar o poder pelo voto. Sem golpe. Com inteligência. Jogando as regras do jogo. Ponto).

Foto de Luiz Carlos Nemetz

Luiz Carlos Nemetz

Editorialista do Jornal da Cidade Online. Advogado membro do Conselho Gestor da Nemetz, Kuhnen, Dalmarco & Pamplona Novaes, professor, autor de obras na área do direito e literárias e conferencista. @LCNemetz

Ler comentários e comentar