Nota sobre a verificação de fatos realizada pela Agência Lupa

A agência de verificação de fatos, Lupa, publicou nesta segunda-feira, 27 de agosto, um artigo em que esmiúça diversos pontos de um texto reproduzido pelo Jornal da Cidade Online. O texto em questão foi extraído e reproduzido sem alterações do perfil da usuária do Facebook, Daniele Custódio, de Roraima, e pode ser conferido aqui.

Como tal, escrito por uma pessoa que vive o dia-a-dia da situação culminante do debacle anunciado do socialismo venezuelano, é previsível que o texto não se agarre ao mais primoroso rigor científico. Daí, classificar como “EXAGERADA” a afirmação de que “Pacaraima não tinha um homicídio há três anos” porque, na verdade, “Pacaraima registrou três homicídios em 2014, um em 2015 e nenhum em 2016” parece, sim, um exagero.

Outra contestação foi feita em relação ao percentual de partos de venezuelanos. A agência classificou como FALSA a informação de que “40% dos partos na maternidade [Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazaré] são de bebês filhos de imigrantes”. A agência novamente ignora o caráter informal e de indignação do texto, que escancara a percepção dos moradores da situação em questão. Se utilizados os dados apresentados pela própria agência, é possível perceber que apenas de janeiro a junho de 2018 foram realizados mais partos de imigrantes do que em todo o ano de 2017, tendo o número de atendimentos saltado de 6% para 11% em um semestre, o que representa um aumento de quase 100%. Portanto, não parece nada imprudente inferir que este número ultrapasse os 20% até o final de 2018. Esta informação poderia, sim, ter sido classificada como exagerada, mas nem de longe como FALSA. ALém disso, como a própria agência coloca, os números para 2018 não estão disponíveis, o que impossibilita qualquer afirmação categorica de que a autora não possa ter experienciado a situação descrita.

A Lupa também classificou como EXAGERADA a afirmação de que médicas plantonistas foram agredidas por venezuelanos porque o hospital não ficou desassistido com a saída das profissionais para a realização do boletim de ocorrência e não foram registrados óbitos de bebês na noite do ocorrido. Novamente, dada a origem do texto, é provável que autora tenha equivocadamente adicionado um boato local à informação original, o que de forma alguma ameniza a gravidade da situação em questão. Afinal, houve a agressão.

A agência Lupa afirmou ter entrado em contato com o Jornal da Cidade Online e não obtido resposta, tentando passar a impressão de que este veículo esquiva-se de prestar esclarecimento. Nada mais falso. Soubemos do e-mail enviado pela agência através apenas da leitura das contestações. Ao verificarmos o email em questão, encontramos o contato apenas na caixa de spam, enviado hoje às 11:49. Pouco mais de 3 horas depois, sem qualquer outra tentativa de contato, apesar de nossos telefones e números de WhatsApp estarem claramente disponíveis em nosso site, as contestações foram publicadas.

Reiteramos o compromisso do Jornal da Cidade Online com sua tradição jornalística de 40 anos e sua missão de levar aos leitores informações ignoradas ou omitidas pelos veículos tradicionais da grande mídia. Também reforçamos estarmos permanentemente à disposição para qualquer esclarecimento sobre os conteúdos produzidos ou divulgados pelo Jornal da Cidade Online.

Um jornal consciente não abre mão do seu direito de crítica.

da Redação

Comentários

Leia mais...

Mais em Variedades