O custo elevado para manter a "máquina" em funcionamento

Disparada do dólar traz momento de dificuldades, incertezas e custo elevado para o produtor rural.

Na agricultura a transformação dos fatores de produção em produtos finais obedece ao ciclo da cultura, onde os pacotes tecnológicos são essenciais nas diversas etapas do plantio até a colheita para a comercialização.

No cultivo, os fertilizantes e os defensivos, são insumos fundamentais que aumentam a qualidade e o rendimento da produção agrícola. Considerando a importância da sua participação na rentabilidade do produtor.

Hoje, a política de Donald Trump vem aumentando o valor do dólar no mercado em comparação com as demais moedas, o que nem sempre é uma alta comemorada pelos produtores, mesmo aqueles com potencial para exportação.

Por que?
Vivemos uma insegurança politicamente quando tratado a nível Brasil, o que já é um grave empecilho para desenvolvimento e crescimento tanto na agricultura como em qualquer outro setor. A quebra do mercado chinês no fornecimento de matéria prima, foi outro fator que alavancou os preços dos insumos nesse ano de 2018. Isso fez com que a grande maioria dos fertilizantes sofressem um aumento de 80% em comparação ao ano passado.

Os produtores que conseguiram se financiar realizando compra antecipada garantiram preço e hoje sopram um ar mais aliviado, já os pequenos produtores e os produtores que não conseguiram se organizar para compra antecipada, sofrem buscando recursos para não deixarem de produzir este ano.

A alta não veio somente nos produtos, os fretes estão relativamente 30 a 40% mais caros que o ano passado. "Para se ter uma ideia, o transporte de arroz pelas rodovias do país terá aumento de 35% a 50% no mercado interno e de 100% para exportações. Na indústria de aves e suínos, o impacto do tabelamento sobre o custo do transporte foi calculado em 63%. O frete de rações para alimentar os animais tende a aumentar 83%. No setor de papel e celulose, a alta do preço para transportar os produtos será de 30%. O aumento do frete nestes e nos demais setores, certamente, deixará as mercadorias mais caras, penalizando ainda mais a população", diz a CNI.

O posicionamento de risco na comercialização dessa safra atual para o produtor é grande. Atualmente o dólar chegou a casa acima dos R$ 4,00, mas essa situação é totalmente instável, o que não garante a mesma cotação da moeda no momento da venda.

Outra conclusão é que os produtores trabalham com estoques mínimos para o seu uso no momento exigido no ciclo de plantio e colheita, o que reflete na definição de preços pelo fornecedor dos insumos dada procura momentânea.

Os resultados de safras anteriores e as expectativas com relação ao processo de comercialização que podem influenciar na renda do produtor tem relação direta com a formação de preços. Essa hipótese é parte da estratégia de venda de fabricantes e fornecedores, que levam em conta, também, a forte procura por insumos exigidos em pacotes tecnológicos.

Caroline Peixoto

Sócia Proprietária em um portal de notícias voltado ao Agronegócio e Sócia Proprietária em uma Agência e Produtora. Diretora de um Programa de Televisão voltado ao entretenimento. 

Siga-nos no Twitter!

Mais de Caroline Peixoto

Comentários

Notícias relacionadas