Nova petição de Zanin é um desacato ao Poder Judiciário

O advogado Cristiano Zanin representa verdadeiramente a escória da advocacia brasileira, uma vergonha para a categoria.

Zanin não é advogado. É tão somente um medíocre e endinheirado chicaneiro.

Nunca teve competência profissional, nem tampouco conhecimento jurídico, para discutir posições e teses com o juiz Sérgio Moro.

Foi derrotado em todas as aventuras que criou. Foi humilhado inclusive pela esposa de Moro, a advogada Rosângela Moro. E conseguiu a proeza de se indispor com o ex-ministro Sepúlveda Pertence, contratado a peso de ouro pelo meliante petista, mas expurgado da defesa por ciumeira de uma figura absolutamente repugnante.

Nesta terça-feira (28) ele apresentou na Justiça Federal de Curitiba uma petição requerendo que os depoimentos prestados por antigos executivos da Odebrecht sejam enviados à Justiça Federal de Brasília.

Segundo ele, o STF já reconheceu que essas denúncias, incluindo o recebimento de vantagem indevida para a construção do Instituto Lula, não devem ser processadas pela vara de Curitiba.

Ora, feito o requerimento, deveria aguardar a decisão do magistrado. Assim se comporta o advogado ético e decente. Caso a decisão não agrade, recorra. Pronto!

Não. Zanin é aético e indecente. No final da petição a provocação desrespeitosa, raivosa e absurda, tentando atingir o juiz Moro.

“Diante do exposto, requer-se a imediata remessa dos autos processuais para livre distribuição na Seção Judiciária do Distrito Federal (…) com os consectários legais decorrentes do reconhecimento da incompetência deste Juízo, A MENOS QUE SE QUEIRA DESAFIAR A AUTORIDADE DA DECISÃO PROFERIDA PELO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL."
Sem dúvida um ‘desacato’. Não ao juiz, mas ao Poder Judiciário, que Moro representa.

É um “moleque”.

Amanda Acosta

Articulista e repórter
amanda@jornaldacidadeonline.com.br

Siga-nos no Twitter!

Mais de Amanda Acosta

Comentários

Notícias relacionadas