Ministério Público, segue a linha de Janaína, e pede julgamento imediato de Lula

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) caso queira assegurar a lisura do atual processo eleitoral, precisa encerrar nesta sexta-feira (31) a farsa da candidatura do presidiário Luiz Inácio Lula da Silva.

Nesta quinta-feira (30) a brilhante advogada Janaína Paschoal fez inúmeras manifestações nas redes sociais, exigindo a decisão imediata da corte eleitoral.

Eis as postagens de Janaína:

"A Lei da Ficha Limpa é explícita! Não há o que discutir. Não sei se esse suspense favorece A ou B. Só sei que esse suspense fragiliza a Democracia. É um acinte!"
"Revolta essa pessoa estar prestes a estrear no horário eleitoral e ter seu nome nas pesquisas de intenção de voto. Essa situação, definitivamente, prejudica o eleitor mais simples, que acaba sendo induzido a erro!"
"Qualquer pessoa que se candidate a um cargo eletivo e se disponha a cumprir todas as regras sabe como é difícil. Há norma para tudo! Uma série de proibições. Vocês não podem imaginar! Nesse contexto, revolta a candidatura de uma pessoa condenada e presa por corrupção!"

Como se o clamor da advogada tivesse feito eco, na madrugada desta sexta-feira (31), o Ministério Público Eleitoral pediu o julgamento imediato do registro da candidatura de Lula.

A petição do MP foi subscrita pelo vice-procurador-geral Humberto Jaques de Medeiros, com argumentos extremamente fortes, que inclusive demonstram a absoluta desnecessidade de abertura de prazos para produção de provas, ante a flagrante inelegibilidade do meliante petista.

“A pretensão de se realizar campanha eleitoral para candidato patentemente inelegível com recursos públicos é uma hipótese incompatível com o Direito (…)”, diz o procurador no petitório.
Por outro lado, o ministro Luís Roberto Barroso, também se manifestou, dizendo o seguinte:
“Vivo as angústias do Brasil.”
Diante disso, parece certo que a novela infame terá hoje o seu último capítulo, com a morte definitiva do vilão.

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Direito e Justiça