O “11 de Setembro da Cultura Nacional”

Alguém escreveu ontem que o incêndio do Museu Nacional foi o “11 de setembro da nossa cultura” - no que diz respeito à dimensão da perda (sem considerar vidas humanas), não há dúvida de que foi sim.

Há porém, eu o afirmo, uma diferença gritante: no Brasil, praticamente nunca se pode falar em “tragédia”. Tragédia é tudo aquilo que não é esperado, que é súbito, que ninguém poderia (de maneira alguma) imaginar que pudesse acontecer, mas aqui isso é a exceção; não a regra.

Ontem eu disse que toda nossa cultura, toda nossa história já tinham sido incendiadas há muito tempo, que aquilo que aconteceu no museu foi apenas a destruição física delas – isso é verdade e jamais poderá ser esquecido.

Milhões (na verdade bilhões) de reais foram tomados pelo Ministério da Cultura (antes, durante e depois do Regime Petista) pela Lei Rouanet, pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e por outros buracos negros de corrupção em nome da “preservação da nossa história e da nossa cultura” e foram aplicados em “oficinas de siririca”, em “performances” com gente nua, em passeatas pelos direitos LGBT... enfim: em qualquer coisa que fosse do interesse da agenda imposta pela Revolução Cultural Marxista.

Depois do incêndio, as redes sociais foram tomadas por manifestações de psicopatas do PT, PSOL e PC do B comemorando o fato e afirmando que “o que morria ali era a história da escravidão no Brasil” e outras barbaridades do gênero.

Para esquerda brasileira, todos vocês o sabem, não existe história – os portugueses chegaram ao Brasil e depois Chico Buarque foi preso. Só isso. (aliás, é preciso confirmar se existiam ou não, dentro do prédio que incendiou, documentos a respeito do Regime Militar aqui no Brasil).

O incêndio do Museu Nacional que aconteceu ontem no Rio de Janeiro foi o preço a ser pago por um povo que entregou (antes, durante e depois do Regime Petista) toda seu patrimônio cultural – seja ele intelectual ou material – aos cuidados dos militantes petistas, do PSOL e do PC do B.

A exemplo da tragédia da Boate Kiss em Santa Maria, que matou 242 pessoas em 2013, não vai acontecer nada depois. Ninguém vai ser diretamente responsabilizado, ninguém vai ser preso e vai ficar por isso mesmo.

Museu é para um povo que tem história; como aquilo que se perdeu não era de interesse nenhum para esquerda brasileira, tudo vai ser esquecido.

Milton Pires

Médico cardiologista em Porto Alegre

Mais de Milton Pires

Comentários

Leia mais...

Mais em Cultura