Entre o MST e a memória da cultura nacional, reitor da UFRJ optou pelo “Exército de Stédile” (Veja o Vídeo)

O reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro Roberto Leher, ardoroso militante do PSOL, que durante a sua gestão manteve-se alheio a gradativa destruição do Museu Nacional do Rio de Janeiro, que culminou com o desastroso incêndio ocorrido na semana passada, destruindo grande parte da memória cultural brasileira, tinha infelizmente outras preocupações, que não guardavam qualquer relação com o cargo que exercia.

No entendimento do reitor, o MST traduz-se num projeto que está ‘pulsando cultura, arte, ciência e tecnologia’.

Para o magnífico psolista, ‘as contribuições do MST para a educação brasileira são inestimáveis’.

Por isso, ele apoia o MST. Possivelmente e provavelmente, até com dinheiro.

E pensar que com responsabilidade e pouco dinheiro, o museu poderia estar salvo.

O reitor é mais uma herança, com mandato, deixada pela era PT.

Quanta demência!

Veja o vídeo:

Amanda Acosta

Articulista e repórter
amanda@jornaldacidadeonline.com.br

Siga-nos no Twitter!

Mais de Amanda Acosta

Comentários

Notícias relacionadas