A maior violência contra Bolsonaro a esquerda fez depois do atentado

1. Dizer que foi uma "facada fake" porque "não há sangue", além de ser um comentário ignorante acerca da reação muscular naquela área após perfuração por arma branca, também exibe seu grau de uso da desinformação como instrumento de má-fé;

2. Dizer que Bolsonaro "mereceu ser atacado" porque "quem semeia o ódio colhe ódio", equivale àquela velha estupidez de dizer que "mulher de minissaia merece ser estuprada". Responsabilizar a vítima pela violência sofrida é, de fato, outra violência. Talvez ainda maior;

3. Dizer que o candidato é responsável pelo ataque sofrido "porque defende a liberação do porte de arma de fogo" é revelar o cerne da má-fé plantada nesse debate: quem realmente defende o Estado Democrático de Direito?

Observe: o cidadão filiado ao pensamento de esquerda e que diz ser contra a legalização do porte de armas de fogo, invadiu sorrateiramente o comício do adversário e o atacou ferozmente com um golpe de arma branca (por pouco não fatal). Já os cidadãos que defendem a liberação do porte de armas (muitos deles lá estavam armados) não atiraram no terrorista. Ao contrário, desarmaram o bandido, entregando-o às autoridades policiais competentes.

Compreende a diferença entre uma espécie e outra? Percebe quem são os fingidores nessa história?

Não me interessa em quem você votará nas Eleições 2018. Interessa-me apenas que sejamos capazes de refletir e de argumentar com decência e um mínimo de inteligência.

Reflitamos

Helder Caldeira

Escritor, Colunista Político, Palestrante e Conferencista
*Autor dos livros “Águas Turvas” e “A 1ª Presidenta”, entre outras obras.

Siga-nos no Twitter!

Mais de Helder Caldeira

Comentários

Notícias relacionadas