Ator e Poeta - Eduardo Tornaghi

A poesia diverte, antena, organiza, colore, além de ser o único verdadeiro antídoto pra coisificação precificante que nos assola.

-Eduardo Tornaghi -

Nascido no Rio de Janeiro, em 26 de setembro de 1951, turma de 51. Cresci brincando de fábula, teatro, canto e poesia. Me formei  em psicologia, mas isso se tornou detalhe. A vida já tinha me levado pra arte. Teatro, principalmente, em todas as funções. Agora, com a maturidade veio com força a poesia. Publiquei "Matéria de Rascunho" (duas edições, preparando a 3ª) e promovo "Peladas Poéticas" (toda 4ª feira no Leme. Se você quiser, na sua festa, sua escola seu trabalho).

A poesia diverte, antena, organiza, colore, além de ser o único verdadeiro antídoto pra coisificação precificante que nos assola.

Não fiz propriamente uma opção pela pobreza, mas sim por buscar minha essência. Fui viajar pelo país seguindo o exemplo de Mario de Andrade, Villa Lobos e Guimarães Rosa entre outros mestres. Aprendi com eles que é preciso conhecer nossa raiz para compreender quem somos, que Arte nos revela. E parte importante disso está na expressão do povo mais simples.

Eduardo Tornaghi - Casado desde  1995. Pai  de  duas lindas filhas.

Ator com diversos trabalhos no teatro, TV e cinema.

Tornaghi é lembrado, principalmente, pelas suas atuações em novelas da Rede Globo, como "A Moreninha" (1975), "Vejo A Lua no Céu" (1976), "Dancin Days" (1978), "Memórias de Amor" (1979), "Vereda Tropical" (1984) e "A Gata Comeu" (1985), esta sua última participação em novelas.

Atuou, também, na TVS, na novela "O Espantalho", em 1977 e foi o protagonista de "O Todo Poderoso" na Bandeirantes (1979/80).

Fez, ainda, pequenas participações no antigo seriado Caso Verdade e no programa Você Decide, ambos na TV Globo.

Em 2002, voltou ao cinema, protagonizando o filme "O Príncipe", de Ugo Giorgetti, ao lado de Bruna Lombardi.

TRABALHOS NA TELEVISÃO:

1973 - João da Silva .... Hélio

1975 - A Moreninha .... Leopoldo

1976 - Vejo a Lua no céu .... Fernando

1977 - O Espantalho .... Dirceu

1977 - Sinhazinha Flô .... Arnaldo

1978 - Ciranda Cirandinha .... Joel

1978 - Dancin' Days .... Raul

1979 - Memórias de Amor .... Jorge Argolo Ramos

1979 - O todo-poderoso .... Emanuel

1980 - Marina .... Paulo

1984 - Vereda Tropical .... Bráulio

1985 - Noite .... Mestre

1985 - A Gata Comeu .... Rafael

1987 - Carmem .... amante de Carmem

2002 - O Príncipe .... Gustavo

TRABALHO NO CINEMA:

1975 - Enigma para Demônios

1978 - Mulher Desejada ... Waldo [2]

1980 - O Grande Palhaço

1982 - Dôra Doralina

1982 - Das Tripas Coração

1983 - A Mulher-Serpente e a Flor

1983 - Doce Delírio

1985 - Noite

1989 - Sermões - A História de Antônio Vieira

1992 - Oswaldianas (episódio "Quem Seria o Feliz Conviva de Isadora Duncan?")

1999 - Tiradentes

2002 - O Príncipe ... Gustavo

2009 - Insolação ... Arquiteto

*FILMES: :

"Cara ou Coroa" com direção de Ugo Giorgetti e a série "Caçadores da Alma" de Silvio Tendler na TV Brasil.

Continua ator, diretor, roteirista, produtor militante e agora se dedica também à Poesia. Se não é mais visto nas novelas é puramente devido à um "sem jeito" para administrar essa parte da carreira.

A PELADA POÉTICA  é realizado toda quarta-feira a partir das 19 hs no quiosque  " Estrela de Luz", na praia do Leme  (Av. Atlântica - Posto 1 - em frente ao restaurante Fiorentina). Curtam o blogue e não

percam o Leme!

SITES:

FACEBOOK:

- Eduardo Tornaghi -

https://www.facebook.com/eduardo.tornaghi?pnref=eh

Pelada Poética No Leme

https://www.facebook.com/pelada.poeticanoleme

Estrela de Luz - Quiosque

Avenida atlantica ql6 leme, 22010 Rio de Janeiro

Canal Youtube:

https://www.youtube.com/results?search_query=Eduardo+Tornaghi+

Currículo

já soquei tijolo já virei concreto

já comi do bom já pastei sem teto

já passei vazio já sonhei repleto

só me falta chorar pra ser completo

já banquei o bobo me pensando esperto

já fechei a porta e ainda restei aberto

já comprei a banca - já fui objeto

só me falta chorar pra ser completo

já plantei a dor achando ser correto

já tive razão mesmo sem estar certo

já me fiz sublime - já fui abjeto

já clamei por voz no pleno deserto

já me atrapalhei com tudo que é afeto

só me falta chorar pra ser completo

- Eduardo Tornaghi -

Deixar correr pelo papel a mão

I

solta

sem ciência

sem direção

curtir mais

a cor da tinta

a curva da linha

o sentido do traço

Que

o sentido do troço

o ângulo do logos

o brilho da oclusão

Deixar pelo papel correr a mão

II

Deixar pelo papel a mão correr

e ver depois

se desenhos

ou palavras

se riscos

ou recados

Lembrar sempre

que desenhos são palavras

palavras são desenhos

e todos são riscos

todos são recados

Depois respirar fundo

mergulhar na inspiração

até calar a Babel

então ao expirar

Deixar correr a mão pelo papel

III

Deixar pelo correr a mão papel

e que a mágica se repita

mil e tantas e muitas vezes

até que a mão se solte

ligando-se assim à fonte

à cascata do aguadeiro

que generosa se derrama

levando o que é vivo a brilhar

até ser capaz

de passar a luz adiante

Deixa

- Eduardo Tornaghi -

PARTICIPAÇÃO NO FANTÁSTICO HÁ 30 ANOS ATRÁS (assista o vídeo):

Maria Catherine Rabello

Pernambucana, amante da poesia. “Amo minha vida e todos que fazem parte do meu mundo. Poesias são sonhos vividos, lembrados ou desejados. Poesia acalenta a alma e o coração. Sonhar é viver, viver feliz! Amo poesias, poesias de amor sempre! Sou sonhadora e feliz. Meus rabiscos são meus segredos, meu baú de sentimentos. Apresento lindas poesias de muitos corações iguais ao meu. Amar sempre!

Mais de Maria Catherine Rabello

Comentários

Leia mais...

Mais em Cultura