Infame, ditadura da Guiné Equatorial diz que PF agiu de “má fé” e quer fortuna de volta

A Guiné Equatorial está exigindo a devolução do dinheiro e das joias que foram apreendidos no Brasil pela Polícia Federal, em posse de seu vice-presidente Teodorin Nguema, filho do ditador Teodoro Obiang Nguema.

O país africano está alegando que as autoridades brasileiras em Campinas agiram de “má fé”.

Eles aduzem que a Guiné Equatorial foi "vítima de uma violação de seus direitos e dignidade".

A fortuna trazida, segundo eles, seria usada em ‘despesas de viagem’.

Apenas nas malas revistadas, dos integrantes da comitiva, foram encontrados US$ 16 milhões em dólares e joias não declarados.

As malas do vice-presidente não foram revistadas. A Polícia Federal respeitou a sua imunidade diplomática.

De qualquer forma, a PF, indiferente aos reclamos da ditadura africana, vai abrir inquérito para tentar descobrir com quem a comitiva daquele país iria se encontrar durante a sua estada no Brasil.

A PF pretende esmiuçar o caso para verificar até onde vão as ligações do vice-presidente da Guine Equatorial no Brasil.

da Redação

Comentários

Mais em Direito e Justiça