Haddad envergonha o país buscando orientações na cadeia...

O próprio candidato admite que é um mero poste de um presidiário.

Quando foi eleito prefeito de São Paulo, em tom de zombaria, tripudiando sobre o eleitor paulistano, disse:

“Eu sou o segundo poste do Lula”.
"De poste em poste, Lula vai iluminando o Brasil".
Atualmente está novamente tripudiando sobre o eleitor. Desta feita, ainda durante a própria campanha eleitoral, quando busca orientações semanais com um criminoso, corrupto, lavador de dinheiro, condenado e preso.

Ora, Lula está preso por ter roubado o dinheiro do povo brasileiro. Está recolhido ao cárcere pela condenação em apenas um dos processos em que é réu. Em meados de outubro ou novembro, mais uma sentença deverá ser prolatada. Certamente, ante as fartas provas colhidas, depoimentos de testemunhas e o conteúdo das delações premiadas, será condenado. Outros processos tramitam e novas condenações advirão.

Na verdade Lula, no exercício da presidência, enveredou por um caminho perverso de criminalidade e corrupção desenfreada.

Não havendo nenhum “atentado” contra a Justiça e a Constituição, Lula cumprirá longos anos de “cana”, sem chances...

Atente-se que após a segunda condenação, Lula certamente deverá ser conduzido para um presídio de segurança máxima. Não haverá mais condições de permanecer no prédio eminentemente administrativo da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba.

Ficam então os seguintes questionamentos:

O infame poste, na remota hipótese de ser eleito presidente da República, continuará visitando Lula semanalmente para pedir orientações?
Um presidiário, preso por ter roubado a nação, dará aulas semanais para o seu poste, ensinando como fazer o malfeito?
Não será perigoso e vergonhoso um presidente da República comparecer periodicamente a um presídio para pedir orientações para um detento?
Que país é esse?

Amanda Acosta

Articulista e repórter
amanda@jornaldacidadeonline.com.br

Siga-nos no Twitter!

Mais de Amanda Acosta

Comentários