O TSE, o presidiário na TV e as mentiras, calúnias, extorsões e mortes...

O Tribunal Superior Eleitoral decidiu em julgamento realizado na noite desta quarta-feira (19) que o presidiário-alma-mais-honesta-da-galáxia poderá participar da propaganda eleitoral gratuita do seu testa de ferro que é candidato à presidência do Brasil. O argumento foi singelo: não permitir seria o mesmo que aplicar uma pena de banimento, que é vedada pela Constituição Federal.

Vamos por partes. Segundo Deocleciano Torrieri Guimarães, banimento é “medida de ordem política ou pena criminal que consistia em expulsar alguém do país e proibir o seu retorno enquanto durasse a pena, podendo ser perpétuo ou temporário”. Torna-se óbvio que os ministros do TSE deram uma interpretação bem extensiva (para não usar outro termo chulo que me vem à cabeça) para justificar o injustificável: permitir que um presidiário possa pedir votos para alguém que em um futuro próximo pode se tornar seu companheiro de cela.

Se existe algo que eu aprendi ao longo das últimas duas décadas como profissional do Direito é que jurisprudência existe até aquela que autoriza você a matar a própria mãe. Basta procurar. E em um país onde cidadãos despreparados alcançam os mais altos postos no Poder Judiciário simplesmente porque têm as ligações certas, este tipo de situação abunda.

Basta fundamentar um pouquinho a decisão e pronto.

Esquecem-se que o Direito é antes e acima de tudo feito de bom senso e de senso comum de justiça. Pergunto: o TSE fez justiça ontem? Qual cidadão honesto, ético e probo gostaria de ter um presidiário condenado pedindo voto a seu favor? Diga-me com quem andas e eu te direi quem és!

O TSE deu uma demonstração clara e exata do tamanho do perigo que nós brasileiros honestos e trabalhadores corremos atualmente.

A máquina estatal está completamente aparelhada. Os cordões estão sendo puxados e os pudores de outrora estão desaparecendo.

Há muito deixaram de se importar com o Brasil; agora só pensam em permitir que o mecanismo sobreviva. Para isso, não hesitam sequer em mentir, caluniar, trapacear, extorquir e até mesmo matar. Celso Daniel e tantos outros já se foram. Jair Messias Bolsonaro só não morreu porque O Manto Sagrado de Jesus o protegeu.

Nesta altura do campeonato, é realmente muito óbvio que não há limites para a má-fé daqueles que tem o poder nas mãos.

Alguém, depois de ontem à noite, realmente duvida da possibilidade de fraude nas urnas eletrônicas?
Alguém ainda acredita que as pesquisas eleitorais não estão sendo manipuladas?
Alguém duvida que o Brasil está sendo vítima de uma maquiavélica e hedionda conspiração para não permitir que haja uma real mudança no comando da nação nas próximas eleições?
O voto, caro leitor, é decisão particular sua! Vote de forma consciente, mas, pense um pouco:
Quem sempre disseminou o discurso de ódio?
Quem prometeu colocar no paredão e fuzilar aqueles que não comungavam dos ideais da esquerda?
Quem invade a propriedade alheia e a destrói?
Quem mentiu e mente para você a respeito do nosso passado recente, dizendo que lutava pela liberdade, mas na verdade queria implantar no Brasil uma ditadura comunista?
Quem espoliou o Brasil e colocou milhões de brasileiros no desemprego?
Quem queria conspurcar as nossas crianças?
Quem é contra a família?
Quem protege os criminosos e prefere que morra um policial que um bandido?
Quem tem a capacidade de defecar no altar de uma Igreja e publicar o vídeo em redes sociais?
Quem adora caluniar e distorcer a verdade?
Quem se preocupa mais com a forma do que a substância e com isso escraviza corações e mentes?
Basta ou quer mais?

A resposta para todas estas perguntas é uma só: são as mesmas pessoas que difundiram a ideia de que é intolerável que Jair Messias Bolsonaro se torne Presidente do Brasil! Nem é preciso muita elasticidade mental para entender o motivo. Pois lhes afirmo aqui, convictamente: este talvez seja o melhor motivo para votar em Bolsonaro no próximo dia 07 de outubro.

É o que penso.

(Texto de Robson Merola de Campos)

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Opinião