Carta aberta à embaixada da Alemanha no Brasil

Ao Embaixador da República Federal da Alemanha no Brasil

Dr. Georg Witschel.

Senhor Embaixador, na condição de cidadão brasileiro venho por meio desta manifestar minha surpresa em relação à participação da República Federal da Alemanha em acirrada discussão travada nas Redes Sociais no que diz respeito à natureza ideológica do Regime Nacional Socialista que dominou este país antes e durante a Segunda Guerra Mundial.

Gostaria de dizer que não tenho qualquer formação em Filosofia, Ciência Política ou História, que jamais estive na Alemanha e não havia, sequer, nascido quando se travou a Guerra entre as Potências do Eixo e os países aliados.

Sou, por formação, médico, mas sou também e antes tudo, cidadão brasileiro e tenho uma opinião absolutamente clara (e que não interessa aqui) no que diz respeito à natureza ideológica do Nacional Socialismo Alemão.

Acredito que o senhor venha acompanhando o clima de radicalização e violência que tomou conta do Brasil em virtude das eleições que se aproximam.

No momento em que lhe escrevo, o candidato em que pretendo votar encontra-se hospitalizado após ter sofrido um atentado contra sua vida. Mais importante do que isso: esse candidato é frequentemente apresentado pelos seus opositores, aqui no Brasil, como “fascista” e também, muito seguidamente, como “nazista”.

Não lhe escrevo com a intenção de discutir com o senhor se o “Nazismo era um Regime de Direita ou Esquerda”. Escrevo-lhe sendo bisneto de imigrantes alemães no Rio Grande do Sul e tendo avós e minha própria mãe como pessoas que aprenderam a falar o idioma alemão antes do português. Idioma que, na década de 1940, eles tinham medo e vergonha de falar para não serem confundidos com "nazistas" pelos demais brasileiros aqui no Rio Grande do Sul. Graças a este medo, minha própria mãe jamais me ensinou qualquer palavra em alemão.

Resumidamente o que tenho a lhe dizer é o seguinte: o Brasil não tem, neste momento, nenhum candidato ou partido político representante do Nacional Socialismo dentro do nosso território nacional.

As manifestações em apoio a esta ideologia assassina são proibidas em nosso país e a Polícia Federal frequentemente descobre e prende qualquer um que faça sua apologia em redes sociais.

O Brasil, enquanto Nação em que ainda sobrevivem alguns traços de Democracia depois do Regime Petista que o destruiu, não tem qualquer interesse em saber se o Nacional Socialismo era uma doutrina de “Esquerda” ou de “Direita” - esse é um problema que diz respeito ao Governo e ao povo da República Federal da Alemanha.

As entrevistas e as manifestações que o senhor e funcionários da Embaixada vem fazendo atualmente, bem como aquelas da Deutsche Welle, tem sido usadas por parte da Imprensa Brasileira (quase a totalidade dela) para acirrar ainda mais os ânimos entre eleitores do Deputado Jair Bolsonaro e integrantes das Organizações Criminosas Comunistas que se apresentam à Nação como PT, PSOL e PC do B e que disputam o pleito de outubro.

Senhor embaixador, ninguém discute que a lembrança e a discussão daquilo que foi o Regime Nazista precisam se fazer presentes para o povo alemão e para o mundo inteiro – sabemos, o senhor e eu, da verdade expressa por George Santayanna quando ele diz que “Aqueles que não conseguem lembrar o passado estão condenados a repeti-lo”, mas me parece extremamente perigoso usar do sofrimento e da morte de milhões de pessoas de todas as nacionalidades, confissões religiosas e ideologias para “fornecer munição” à uma imprensa corrupta e alinhada com o Regime Petista como é a que temos no Brasil.

Peço ao senhor, acreditando que represento aqui a voz de milhões de brasileiros e em nome da boa relação diplomática entre o Brasil e a República Federal da Alemanha, que se encerrem as manifestações desta embaixada.

Na minha mais humilde opinião, esta é a melhor atitude para o Brasil, para República Federal da Alemanha e para memória de milhões de seres humanos que morreram na Segunda Guerra Mundial.

Cordiais Saudações,

Milton Pires

Médico cardiologista em Porto Alegre

Siga-nos no Twitter!

Mais de Milton Pires

Comentários