Um ministro do STF totalmente desmoralizado

Ricardo Lewandowski está extremamente abatido.

A conversa que teve com o ministro Dias Toffoli teria sido bastante áspera, exaltada, muito tensa.

Lewandowski exigiu de Toffoli o apoio no seu embate com Luiz Fux.

Colocou o presidente do STF contra a parede.

De nada adiantaram as ponderações do ex-subordinado de Zé Dirceu. Afinal, Fux é o vice-presidente do STF e ele, Toffoli, já teria anunciado que pautaria a decisão do caso para o plenário.

Segundo O Globo, nessa hora “o sangue de Lewandowski subiu. Com o rosto vermelho, disse a Toffoli que, se o caso fosse levado ao plenário, ele denunciaria o desvio de poder que tomou conta do STF. Lewandowski recomendou ao colega que ‘pensasse bem’ antes de levar o processo a julgamento, porque ele não ficaria calado. E, depois de falar bastante, deixaria o plenário sem participar da votação”.

Encerrou a conversa dizendo que daria uma outra decisão, contrária a de Fux, no caso da entrevista de Lula.

Lewandowski fez igual “Favreto”, no famoso "golpe do plantonista". Meteu a caneta e determinou que a PF cumprisse a ordem, sob pena de incorrer no crime de desobediência.

O ministro da Justiça, Raul Jungmann, diante de duas decisões antagônicas, de dois ministros do STF, questionou ao presidente da corte qual deveria ser cumprida.

Toffoli sustentou a liminar de Fux.

Foi a desmoralização de Lewandowski.

O resultado será ainda pior para Lewandowski, que vai ter que permanecer calado.

Estava blefando. Não vai denunciar nada, coisa nenhuma.

Não tem peito.

da Redação

Comentários

Leia mais...

Mais em Direito e Justiça