MPF complica delegado e sustenta que crime contra Bolsonaro teve “motivação política”

A isenção do delegado Rodrigo Moraes na condução do caso de tentativa de homicídio contra o presidenciável Jair Bolsonaro, desde o princípio foi colocada sob suspeita.

Não sem motivo.

Moraes é ligadíssimo ao governador petista Fernando Pimentel.

Ele se afastou da Polícia Federal para chefiar por dois anos a Assessoria de Integração das Inteligências da Secretaria de Defesa Social (Segurança Pública) de Minas Gerais e foi diretor de Inteligência da Secretaria Extraordinária para Grandes Eventos, no governo de Dilma Rousseff.

Em junho deste ano o delegado foi condecorado por Pimentel com a Medalha Alferes Tiradentes.
Assim, a denúncia oferecida pelo Ministério Público Federal é desmoralizante com relação ao trabalho desenvolvido pelo delegado Rodrigo Moraes.

De cara, os termos elencados pelo MPF consideram como “clara a motivação política do ato de Adélio”, aduzindo que “seu histórico de militância demonstra que já tinha sido filiado a partido político [PSOL] por sete anos, período em que tentou sair candidato a deputado federal”.

É evidente que foi crime político.

Tentaram matar o líder nas pesquisas.

Só o delegado não viu isso.

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Comentários

Mais em Direito e Justiça