Segundo o PT, quem não vota em Haddad "não é ser humano"

“Se Deus não existe, tudo é permitido”, diz o Ivan Karamazov criado por Fiódor Dostoiévski.

Dostoiévski escreveu isso décadas, muitas décadas antes de um alemão franzino e míope, alto oficial da SS, perceber que seus soldados precisavam ficar bêbados para atirar em mulheres e crianças judias desarmadas – seu nome era Heinrich Himmler.

Himmler, um dos principais arquitetos do Holocausto, imaginou uma saída diferente para lidar com “o problema dos judeus” e aquilo que restava em termos de consciência, aquilo que poderíamos chamar de “sentimento de culpa” das tropas alemãs na hora de fuzilá-los – a solução de Himmler consistia em tornar o processo mais “impessoal”.

Himmler percebeu que era mais fácil desumanizar completamente o judeu do que matar algum Deus que ainda pudesse ser venerado por soldados alemães.
Judeus, segundo Himmler, não eram seres humanos – não se tratava de “matá-los”, mas de “exterminá-los” como insetos, como vetores de uma “doença” que havia se espalhado pela Alemanha. A câmara de gás resolveria o “problema’ de forma mais “impessoal”, mais “técnica” e mais “terapêutica”.

Escrevo este texto em virtude do post acima que encontrei numa Rede Social. Está escrito ali que “apoiar Haddad agora não é ser petista. É ser humano”. O que não está escrito ali, a conclusão lógica, subliminar e inevitável é que quem vai votar em Bolsonaro “não é humano”.

O grande problema ao tentar fazer a análise, a interpretação completa da gravidade, do horror que está colocado nesta frase, foi o trabalho prévio, a vulgarização sistemática, a banalização, por parte de desinformantes e falsos intelectuais como Márcia Tiburi, Reinaldo Azevedo, Marco Antônio Villa e tantos outros, dos termos “nazismo” e “fascismo”.

Já escrevi antes sobre nazismo e fascismo e vinha dizendo, antes de ler o plano de Governo de Fernando Haddad, que não havia chance alguma de um Governo Totalitário ser instaurado no Brasil. Disse que poderíamos ter uma Ditadura com Bolsonaro, disse que poderia ser o fim da Democracia, que o Congresso e o STF poderiam ser fechados, mas que jamais teríamos um Estado Totalitário.

Depois de ter lido o plano de Governo Petista eu escrevi avisando o Brasil sobre o risco que corríamos de presenciar na Política Nacional uma nova edição da Rússia de Stálin e hoje, pela segunda vez, volto ao tema para denunciar esta barbaridade que apresentei e que trata os eleitores de Bolsonaro não mais como “nazistas” ou “fascistas”, mas como seres, como criaturas, que não compartilham a “condição humana” (que só existe naqueles que votam em Haddad).

Escrevo também para me juntar às vozes de Lobão e de Olavo de Carvalho que, como tantos outros que perceberam a FRAUDE do último domingo, estão exigindo o voto impresso no Segundo Turno.

Denuncio aqui a mentira da grande imprensa que quer fazer da morte de um capoeirista baiano um “crime político” e criar uma “nova Marielle Franco”, a cusparada de Haddad na cara da Justiça Brasileira dizendo que Lula vai subir a rampa do Palácio do Planalto com ele no dia primeiro de janeiro e a covardia geral do PT contra o Nordeste depois do resultado do primeiro turno.

Comunico ao Mundo que nosso "Ministro da Segurança", Raul Jungmann, está ameaçando todo brasileiro que fizer denúncia de fraude nas urnas eletrônicas.

Afirmo, como já o fiz antes, que o PT ROUBOU A VITÓRIA DE BOLSONARO no primeiro turno e jogou os votos “nas costas do Nordeste” - se o resto do Brasil reclamar, basta dizer que “o Sul é nazista e fascista”.
Antes do primeiro turno, nós que votamos e vamos votar em Bolsonaro, éramos “nazistas” e “fascistas”, mas ainda assim éramos seres humanos. Agora o PT, que nos acusava de “nazismo” e “fascismo”, nos retira a própria condição humana.

Se o Brasil não entender, definitivamente, com que tipo de gente estamos lidando, o PT vai fraudar o segundo turno das eleições e vai voltar a governar o Brasil. Se o Exército Brasileiro não DETERMINAR ao TSE que o Segundo Turno seja realizado com voto no papel, a FRAUDE é certa.

Desta vez não serão passeatas na Av. Paulista e gente usando a camiseta da Seleção Brasileira que irão derrubar um Presidente Petista.

Ratos, insetos, baratas e eleitores de Bolsonaro não são, no entendimento dos petistas, seres humanos. Não vai haver problema de consciência ou “culpa” ao lidar conosco.

Heinrich Himmler ficaria orgulhoso com a campanha de Haddad.

Milton Pires

Médico cardiologista em Porto Alegre

Siga-nos no Twitter!

Mais de Milton Pires

Comentários

Notícias relacionadas