‘Haddadinho Paz e Amor’: uma forte sensação de “dejà vu” (Ou, os sepulcros caiados do PT)

“Pois que sois [escribas e fariseus] semelhantes aos sepulcros caiados, que por fora realmente parecem formosos, mas interiormente estão cheios de ossos de mortos e de toda a imundícia” (Mateus 23:1-33)

Não adianta a bandidagem petista querer ganhar, de novo, eleição “fazendo o diabo”, como diziam, na campanha de 2014, o Grande Canalha - hoje presidiário em Curitiba - e o exemplar único da espécie “mulher sapiens” – agora símbolo da maior derrota eleitoral da mais cara campanha brasileira - Dilma, a Anencéfala.

O Brasil aprendeu a lição e não dará à organização criminosa do PT a chance de, através da prática de “fazer o diabo”, continuar a espoliação da Nação, e voltar a prestigiar, de novo, o Foro de São Paulo e as ditaduras repugnantes da África e da América Latina.

Dilma, este ser abestalhado – criatura, como Haddad, do deus da seita do Lulopetismo - ficou em quarto lugar na votação para o Senado por Minas Gerais. Bravo, mineiros, vocês jogaram a pá de cal nesta figura patética, que tanto constrangimento e tragédia trouxe ao Brasil pela mão do ‘Princeps Corruptorum’, padrinho desta outra figura também patética: Haddad, que é o outro eu de Lula.

No passado, um marqueteiro canalha criara, em 2002, a figura do ‘Lulinha Paz e Amor’. Foi o mais notável e deplorável sepulcro caiado (ou lobo em pele de ovelha, escolham) do PT. A enganação deu certo, na época. Mas hoje, como o papel explícito de sabujo vil do Grande Canalha não deu certo no primeiro turno, Haddad – certamente seguindo ordens do chefão Lula – assume a afigura do ‘Haddadinho Paz e Amor’, uma versão ‘dejà vu’ daquela de 2002, protagonizada por Lula, fingindo ser ele um candidato de vida própria, ‘descolado’ de seu criador, o Grande Corrupto, esforçando-se para encenar um personagem ponderado, “preocupado” com a polarização do País e apelando para a união do povo.

Haddadinho Paz e Amor é a versão atual do Lulinha Paz e Amor, e representa o segundo sepulcro caiado (ou lobo em pele de ovelha) do PT, decidida esta versão por Lula, desde seu “escritório político” localizado na PF de Curitiba, e imposta a seu ajudante de ordem, Haddad.

Cabe perguntar, ante o ‘apelo’ de Haddad para união nacional:

União em torno de que ou de quem, cara pálida?

Em torno do teu inventor Lula, que é Haddad, ou de Haddad, que é Lula?

União em torno da corrupção galopante da era lulopetista?

União em torno da quadrilha que, com teu criador à frente, assaltou o Brasil?

União em torno da canalhada, liderada por teu ventríloquo que produziu:

1. Os maiores escândalos de corrupção (Mensalão e Petrolão, entre outros) das democracias ocidentais em todos os tempos?
2. A maior recessão da História do Brasil?
3. O maior desemprego de nossa História? (São, ainda, 13 milhões de famélicos desempregados)
4. A redução em 70% do valor de mercado da Petrobrás?
5. A expulsão da Eletrobras, por inadimplência e corrupção, da Bolsa de Nova Iorque?
6. O aparelhamento dos Correios que, na era Lula, deixou de ser o mais confiável, eficiente e eficaz do mundo e se transformou num antro de corruptos, e incompetentes e inconfiáveis?
7. O maior assalto aos fundos de pensão das estatais?
8. A colocação do BNDES a serviço de repugnantes ditaduras latino-americanas e africanas?
9. Um déficit orçamentário, quando do impeachment de Dilma, de R$ 170 bilhões?
10. Uma dívida pública que já ultrapassa os três trilhões de reais?
11. Uma educação em frangalhos, onde não se ensinam letras, ciências, tecnologias e artes, mas doutrinação de esquerda inspirada em Gramsci, Paulo Freire e desrespeito aos valores da família, às pessoas, às autoridades e aos próprios mestres?
12. Que produziu, sob o teu comando no MEC, este esgoto cloacal educacional, devidamente apelidado de Kit Gay?
É esta a união que pedes, hipócrita marionete de Lula?

Não, Haddad (que é Lula), esta União jamais ocorrerá por uma simples razão: o povo acordou do torpor da era lulopetista, aprendeu onde está o câncer moral (que agora representas, Haddad, já que és Lula), social e político do Brasil e descobriu que o caminho de sua redenção passa longe do PT, como organização criminosa, e longe também de todos os sepulcros caiados que esta diabólica organização cria.

A era dos sepulcros caiados petistas está chegando ao fim.

O segundo turno das eleições presidenciais lavará a alma limpa e generosa dos brasileiros.

(Texto de José J. de Espíndola. Engenheiro Mecânico pela UFRGS - Mestre em Ciências em Engenharia pela PUC-Rio - Doutor (Ph.D.) pelo Institute of Sound and Vibration Research (ISVR) da Universidade de Southampton, Inglaterra - Doutor Honoris Causa da UFPR -Membro Emérito do Comitê de Dinâmica da ABCM - Detentor do Prêmio Engenharia Mecânica Brasileira da ABCM - Detentor da Medalha de Reconhecimento da UFSC por Ação Pioneira na Construção da Pós-graduação - Detentor da Medalha João David Ferreira Lima, concedida pela Câmara Municipal de Florianópolis - Criador da área de Vibrações e Acústica do Programa de Pós-Graduação em engenharia Mecânica - Idealizador e criador do LVA, Laboratório de Vibrações e Acústica da UFSC - Professor Titular da UFSC, Departamento de Engenharia Mecânica, aposentado).

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Política