Ao Capitão Bolsonaro no Dia do Médico

Capitão Bolsonaro, votaremos no senhor! Esperamos ser este o último “Dia do Médico” em que tantas vezes escutamos tristes os cumprimentos disfarçados pelo constrangimento dos que precisam de nós.

Os cidadãos brasileiros de bem, 99% da nossa população, sabem o que enfrentamos diariamente. Não é necessário fazer deste texto um rosário de queixas, mas não é possível escapar da verdade ou tentar escondê-la.

Não pode haver Medicina nem Saúde (lembrando que são coisas diferentes) onde impera o Comunismo. As pessoas, eu já o disse uma vez, só podem ser iguais nos hospícios e nos cemitérios! O princípio que deve reger o entendimento das doenças é o da individualização – as generalizações são inimigas do médico e, como vimos, dos políticos. A única generalização verdadeira, neste momento, é que a Esquerda é uma só e é inimiga mortal dos médicos, dos pacientes e do Brasil.

Há décadas os médicos brasileiros são tratados como inimigos do povo. Nós adoecemos e nossos pedidos de socorro são considerados “arrogância”, “falta de humanidade” e “prepotência”.
Não existe “médico petista”, capitão Bolsonaro. Eles não nos representam. São a vergonha da profissão, traíram tudo que juraram e esqueceram tudo que aprenderam.

Já deve ter chegado ao senhor aquilo que eu mesmo escrevi em “Lágrimas na Chuva” - a carta em que lhe contei parte da minha vida profissional. O que cabe lembrar, daquele texto, é a parte final em que eu acreditava (e ainda acredito) falar por milhares de colegas.

Nós precisamos de uma carreira de Estado, capitão. Precisamos de um piso salarial, de uma vigilância rigorosa, severa, das nossas condições de trabalho porque elas não existem para o nosso conforto; existem para salvar as vidas dos nossos pacientes.

Precisamos reconstruir a Rede Hospitalar Brasileira destruída pelo PT, o Brasil foi transformado numa UPA. É necessário parar de abrir (e até mesmo FECHAR) faculdades de Medicina. Precisamos rever a cadeia de hierarquia e disciplina nos serviços de saúde e expulsar do Brasil os falsos médicos trazidos por Dilma e Alexandre Padilha.

Coloque, capitão Bolsonaro, como Ministro da Saúde, um Médico Brasileiro. Coloque um verdadeiro; não um recalcado que ficou na Medicina porque não conseguiu entrar na Política: eles não são médicos; são vermes que gostam de aparecer em colunas sociais ao lado de políticos enquanto os verdadeiros médicos entram em desespero fazendo plantões em espeluncas pelo Brasil afora.

Evite, dentro da Saúde Pública, a enfermeiras recalcadas que precisaram ficar na Enfermagem porque não conseguiram entrar na Medicina - elas não são enfermeiras de verdade; são cadelas petistas que tem orgasmos mandando em médicos e enfermeiras de verdade dentro dos serviços públicos!
O recalque e a inveja, a incompetência e a frustração, foram os ingredientes que os vagabundos petistas usaram para construir uma "luta de classes" na saúde pública. Foi assim que eles aparelharam e destruíram a rede de atendimento público no país.

Afaste-se dos homens e mulheres perigosos, desse lixo do PT, PSOL e PC do B que gira ao redor do Ministério da Saúde como pedófilos se aproximam das crianças nos jardins de infância. Lembre-se daquilo que fizeram patifes formados em Medicina como Alexandre Padilha e Arthur Chioro. Não caia nessa ladainha de "atenção básica", de UPAS e postos de saúde: as pessoas estão morrendo por falta de hospitais!

Precisamos de tanta coisa, de tanta ajuda capitão, que não haveria aqui espaço suficiente para escrever sem fazer deste um texto longo demais.

Aceitamos, felizes, os cumprimentos que o senhor hoje nos oferece. Nos dê a missão e nos forneça os meios; nós faremos o resto porque “missão dada é missão cumprida”.

Salvamos sua vida em Juiz de Fora, ajude-nos a salvar o Brasil daquilo que o PT fez com a Saúde Pública.

Milton Pires

Médico cardiologista em Porto Alegre

Siga-nos no Twitter!

Mais de Milton Pires

Comentários

Notícias relacionadas