Bolsonaro e “Bozonaro”. E o palhaço quem é?

Bozo. Foi um, mas foi vários. Nos EUA e no Brasil. E onde esteve foi sucesso.

Não há menosprezo no ofício ingênuo de um palhaço. Antes disso, pode haver honra na alegria colorida. Pois melhor o colorido do que o monocromático tirano e autocrático do vermelho.

E chamar Bolsonaro de Bozo, antes de ser uma ofensa humilhante, pode ser um grande elogio. Houve uma inversão. A nação feita de boba da corte, cansou do papel. Não quer mais ser roubada, iludida, enganada por uma quadrilha de farsantes.

E ante o iminente risco de ver o circo pegar fogo, resolveu agir.

Há uma arrogância soberba e uma empáfia enrustida na tentativa de estereotipar Bolsonaro de Bozo.

E, tal qual o personagem, o homem tido por “arlequim” se tornou um retumbante sucesso. Um mito.

Tal qual o artista que fazia do seu ofício de entreter uma forma de entrega, usando a arte; Bolsonaro agradou o eleitor.

Pois é! Enquanto um outro ex-líder veste o pijama listrado de presidiário ladrão, sem que essa roupa seja uma fantasia, o “Bozonaro” será carregado no colo para vestir a faixa de Presidente da República.

E o palhaço, quem é?

Luiz Carlos Nemetz

Advogado.Vice-presidente e Chefe da Unidade de Representação em Santa Catarina na empresa Câmara Brasil-Rússia de Comércio, Indústria e Turismo e Sócio na empresa Nemetz & Kuhnen Advocacia

Siga-nos no Twitter!

Mais de Luiz Carlos Nemetz

Comentários

Notícias relacionadas