A propaganda Fake News de Haddad e a falta que faz João Santana

A cada dia o PT se supera na mentira em suas propagandas políticas, só que agora com uma diferença bastante acentuada em relação às campanhas anteriores. As propagandas são bem mal produzidas e flagrantemente contraditórias.

Que falta faz o marqueteiro João Santana, que tanto quanto o dinheiro de caixa dois, frutos das maracutaias do PT e depositados em paraísos fiscais, tinha talento para enganar os bobos.

A propaganda tenta (em vão) impor o verde e amarelo sobre o tradicional vermelho, numa clara tentativa de esconder a verdadeira ideologia do PT: aquela mesma que apoia Maduro; que participa do Foro de São Paulo; que apoia movimentos terroristas como o MTST; que se alinha às FARC; que deu apoio ao esquerdista Manuel Zelaya em Honduras e quase causou uma sanguinária guerra civil naquele país, e para não me alongar muito, sustentou com grana do BNDES vários países dominados por ditadores.

O PT continua cada vez mais vermelho e não adianta mudar de pele. A serpente é a mesma.

Numa primeira imagem, Haddad aparece montado num jegue em meio às terras secas de uma região semiárida do nordeste.
Uma região castigada desde sempre e que mesmo em 13 anos de PT permaneceu na mesma condição.

A tão festejada obra de transposição do Rio São Francisco não desviou ou sangrou recursos hídricos de lugar algum para abastecer e irrigar esses recantos da região. Superfaturada como tudo nos governos PT, sangrou apenas recursos financeiros para abastecer e irrigar as contas dos asseclas petistas, e o pior, a obra além de não ter sido terminada, apresenta falhas estruturais grosseiras, que inviabilizam o seu funcionamento.

Do custo inicial de R$ 4,8 bilhões, a obra até 2012 já estava orçada em R$ 8,2 bilhões, significando na época um aumento de 71% do custo original. E esse dinheiro sumiu. É querer fazer o nordestino de bobo outra vez.

No embalo, tenta ligar a figura de Bolsonaro à violência e a uma suposta "distribuição de armas".
Em campanha pelo Rio, Haddad foi até à Favela da Maré, local dominado pelo tráfico de drogas. Vale ressaltar que ninguém (nem visitantes de moradores) entra em lugares dominados por traficantes sem a concordância deles. A mesma organização criminosa que domina tal complexo de favelas, é a responsável por uma grande fatia do tráfico de armas, Já o Bolsonaro não pode nem pensar em passar perto dessas áreas, porque não faz acordo com bandidos: Os petistas e seus velhos amigos...

Vai dizer que isso é "fake news", Haddad?

Haddad fala em "aumentar os empregos" e aumentar o salário mínimo.
Mas como? Qual é a fórmula mágica?

Num país com 14 milhões de desempregados (herança petista), o aumento do salário mínimo imposto a um empresariado combalido e falido significaria aumentar instantaneamente o número de desempregados. A proposta é absurda, inconsistente, incoerente com a realidade do mercado e foge completamente à razão em sua própria essência. Depois quem não entende de Economia é o Bolsonaro...

Numa velha prática de regular preços e criar bolhas que certamente iriam estourar em algum momento, o candidato promete intervir e vender o bujão de gás a R$ 49,00.Leia-se nessa promessa que quando essa bolha estourasse, estaríamos pagando pelo menos o triplo, assim como aconteceu com os combustíveis e dezenas de outros produtos.

Tudo isso prova que Haddad fala em "fake news", mas sua própria campanha é a mais cínica, a mais vil e a mais dissimulada das fake news, além de subestimar descaradamente a quem pensa ou se dispõe a pensar.

Por falar nisso, Haddad, onde está a Dilma, que não foi em nenhum instante em seus palaques?

Ah... e só pra quebrar o clima, gostei de ver você montado num jegue, mesmo tentando dissociar-se da imagem de Lula.

Enquanto um é "Brasil acima de tudo, Deus acima de todos", o outro é Haddad em cima de um jegue, que representa todos os que acreditam nas suas mentiras.

Siga-nos no Twitter!

Mais de Marcelo Rates Quaranta

Comentários

Notícias relacionadas