Gabriela Hardt bota a Lava Jato nas ruas pela primeira vez depois de Sergio Moro

Batizada de “Sem Fundos” a PF deflagrou uma nova operação nessa sexta-feira (23).

É a primeira sob o comando da nova juíza Gabriela Hardt e 56ª fase da operação. São 68 mandados de busca e apreensão, mais 14 de prisão temporária em São Paulo, Minas, Rio e na Bahia.

O esquema era feito na Petrobrás com a construção de um prédio que estava superfaturada, claro. Tudo isso no governo petista.

As investigações apontam que a execução da construção das edificações destinadas à instalação da nova sede da PETROBRAS em Salvador/BA, assim como os contratos de gerenciamento da construção, de elaboração de projetos de arquitetura e de engenharia foram superfaturados e direcionados para viabilizar o pagamento de vantagens indevidas para agentes públicos da PETROBRAS e dirigentes da PETROS, além de terceiros com eles mancomunados.

Tudo isso em prejuízo à estatal e ao fundo de pensão investidor, este mantido mediante patrocínio da própria PETROBRÁS e das contribuições de seus empregados, informa a nota oficial do PF.

Em suma, o FUNDO PETROBRAS DE SEGURIDADE SOCIAL – PETROS, mediante parceria com a PETROBRÁS, investiu na execução da obra para alugar o prédio à empresa estatal por 30 (trinta) anos. Ocorre que, com o direcionamento da execução das obras à uma empresa ligada a outras duas grandes empreiteiras já conhecidas da Lavajato, o valor da execução ficou bem acima do que deveria, assim como o valor de aluguel a ser pago também.

Assim, os investigados direcionavam parte dos recursos obtidos desses valores a maior para pagamento das propinas, utilizando de artifícios para ocultar e dissimular a origem e destino desses montantes.

As penas somadas podem chegar ao total de 50 anos de prisão e multa

O nome da operação refere-se à perda do Fundo de Pensão da PETROBRAS, assim como ao fato de os crimes investigados parecerem revelar um “saco sem fundos”.

Mais de Ricardo Antunes

Comentários

Leia mais...

Mais em Direito e Justiça