Olarte, a caminho do 'xilindró', a opção que lhe resta é a delação premiada

O sujeito recebeu o convite para ser candidato a vice-prefeito na chapa do então deputado estadual Alcides Bernal. Seria uma disputa difícil, renhida, complicada, mas que já apresentava Bernal como líder absoluto, condição que ele nunca perdeu, a não ser em algumas pesquisas fabricadas, encomendadas por André e Giroto.
Olarte pediu tempo para pensar sobre o convite. 
Foi o tempo de ir até o Parque dos Poderes conversar com André Puccinelli sobre o assunto. Nessa conversa, começou a se desenhar o golpe.
Olarte e André, traição a Campo Grande
Olarte e André, traição a Campo Grande
Com a vitória de Bernal, o vice começou a operar, trabalhava vinte e quatro horas por dia tramando e conspirando contra o prefeito eleito.
Mário recebeu de Olarte a chave do cofre
Mário recebeu de Olarte a chave do cofre
Auxiliado por um outro pastor, o estelionatário de nome Ronan Feitosa, mesmo antes da posse, começou a tomar dinheiro com agiotas para utilizar na contratação de pessoas com o único objetivo de difamar e caluniar a pessoa e a administração do prefeito. Estava traçado o enredo do golpe: desmoralizar Bernal para na sequência, com apoio popular, aplicar a maldita cassação.
Assim, todos aqueles que durante 16 anos chafurdaram nos cofres da prefeitura de Campo Grande, faturando muito dinheiro público com serviços e obras superfaturadas, além dos vereadores, que deixaram de receber mensalão e perderam os cargos que detinham na administração pública, um verdadeiro cabide de empregos, uniram-se em torno do impostor e na confecção da tramóia.
Vereadores e Olarte, comemoram o golpe
Vereadores e Olarte, comemoram o golpe
Só não sabiam que a polícia já estava monitorando tudo...
Mesmo com inúmeras provas, o verdadeiro tsunami de algazarra e corrupção ainda durou um ano e cinco meses.
A cidade virou um verdadeiro caos, um 'lixo'.
Hoje, reconduzido ao cargo, aclamado pela população, Bernal busca reconstruir uma cidade sofrida, endividada, enlameada e suja.
Sua tarefa tem sido complicada, mas já conquistou inúmeros êxitos.
O nome de Campo Grande que o encapetado pastor emburacou no Cadin, já foi retirado do orgão de restrição ao crédito pelo prefeito Bernal. Assim, as verbas e recursos que estavam bloqueados, já podem ser liberados.
A cidade ainda sofre, mas já respira novos ares.
O pastor sendo conduzido para a prisão
O pastor sendo conduzido para a prisão
O mais importante é Campo Grande finalmente começa a se libertar dos malditos tentáculos que a aprisionaram durante 16 anos.
Quanto ao Gilmar Antunes Olarte, que caminho merece?
Que seja condenado. Que vá para o xilindró e cumpra a sua pena e que, fundamentalmente, devolva tudo o que surrupiou dos cofres públicos.
A não ser que, num último suspiro de lucidez e remorso, resolva optar pela delação premiada e entregar todos que participaram da orgia.
Olarte, cadê o dinheiro que estava aqui?
José Tolentino
Editor do Jornal da Cidade Online

                   https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Política