Tendência no STF é soltar todo mundo em abril: Lula, Cunha, Cabral e Dirceu

A luta contra a corrupção, que deve ganhar um ritmo alucinante assim que Sérgio Moro tomar posse como Ministro da Justiça, pode sofrer um incomensurável abalo no dia 10 de abril de 2019.

É a data já fixada pelo ministro Dias Toffoli para o novo julgamento sobre a prisão após condenação em 2ª instância.

Com o voto anunciado de Rosa Weber, a maioria contrária à prisão após condenação em 2ª instância estaria estabelecida.

Gilmar, Lewandowski, Marco Aurelio, Celso de Mello, Dias Toffoli e Rosa Weber, seis votos que representariam a soltura de Lula, Eduardo Cunha e Sérgio Cabral, além da manutenção de José Dirceu em liberdade plena.

Detentores de advogados bem pagos, uma vez soltos, nenhum deles jamais será novamente preso. Os causídicos com infindáveis recursos não irão permitir o deslinde de seus respectivos processos criminais.

Só a sociedade pode frear esta marcha rumo a impunidade.

da Redação

Comentários

Leia mais...

Mais em Direito e Justiça