André Puccinelli e a fixação pelo lixo

O ex-governador André Puccinelli sempre teve uma verdadeira fascinação pelo lixo.
Ainda na sua primeira administração, entre inúmeros escândalos que ocorreram – como aquele dos ‘laranjas’ do Girotto – o caso que acabou sendo denominado de ‘Lixogate’, foi sem dúvida, pela grandiosidade da falcatrua, o mais notável.
André e seus comparsas, inclusive um mafioso italiano de nome Moreno Gori, aliás, até o nome era falso, iam justamente efetivar o monopólio do lixo na cidade.
Como naquela época existia uma oposição um pouquinho vigilante na Câmara Municipal de Campo Grande, o caso acabou sendo denunciado e Puccinelli, então prefeito, o cabeça da trama, suspendeu o processo licitatório e acabou se livrando de qualquer problema judicial mais sério. 
Mas o capo não se deu por vencido, manteve sua fixação megalomaníaca de faturar alto com o 'lixo'.
Qual o motivo? Ora, quantidade de lixo é difícil e complicado mensurar, logo uma maneira fácil de maquiar planilhas e ganhar polpudas propinas.
Com o fracasso do plano montado com o tal Moreno Gori, Puccinelli saiu na caça de um novo parceiro para a empreitada fétida.
Encontrou João Amorim, um sujeitinho ávido em faturar dinheiro fácil.
Assim surgiu a Solurb...
Lívia Martins
Faça contato e envie denúncias para: liviamartins.jornaldacidade@gmail.com

                     https://www.facebook.com/jornaldacidadeonline
Se você é a favor de uma imprensa totalmente livre e imparcial, colabore curtindo a nossa página no Facebook e visitando com frequência o site do Jornal da Cidade Online. 

da Redação

Siga-nos no Twitter!

Notícias relacionadas

Comentários

Mais em Política