A diferença fundamental é que Flávio jamais será um “Guerreiro do Povo Brasileiro”

É complicado exigir “calma” de um eleitorado que, exaurido pela corrupção sistemática, votou com sentimento de mudança, ruptura, no atual governo.

Quanto mais demoram para esclarecer tudo, pior para o presidente da República.

Quando Queiroz deu entrevista ao SBT, faltando ao depoimento no MP-RJ, era uma prévia da tragédia de comunicação que este caso se tornaria. Mesmo na ocasião, não apresentou qualquer papel à emissora, notas, etc.

Pouco importa a tecnicidade do que houve no STF, as mesmas redes sociais que os elegeram, aguardam ansiosamente alguma satisfação contundente sobre o caso.

Felizmente, até o momento, não houve eleitor puxando o coro de “Flavio, guerreiro, do povo brasileiro”, como outrora. E este é, ou deveria ser, um sinal claro de que os tempos mudaram.

Comentários