Socialistas light's! Os Farofeiros de Pequim (Veja o Vídeo)

O novo Brasil assistiu embasbacado o desenrolar de uma patacoada envolvendo alguns deputados federais eleitos.

Mais de uma dezena de neófitos na política resolveram aceitar um duvidoso convite da ditadura chinesa para conhecerem – com todas as despesas pagas – as maravilhas de seu desenvolvimento tecnológico, a fim de, ao final, traçarem um estreitamento comercial entre os dois países, através de empresas pra lá de suspeitas no mercado internacional.

Assim, lá foram nossos intrépidos políticos para a aventura chop-suey das Arábias.

Eis que, no meio da viagem, foram repreendidos e interpelados quanto ao objetivo da estranha proximidade, posto que a China – apesar de parceira – não é uma desejável aliada no novo traçado geopolítico que se esboça no país e nem tampouco tem um governo que possa nos ser ideologicamente atrativo. Sendo que os tais viajantes foram eleitos exatamente para que modelos como os dos chineses JAMAIS sejam vistos em terras brasileiras.

Atabalhoados com a repercussão negativa do Expresso do Oriente, nossos impávidos representantes apresentaram as mais estapafúrdias desculpas. Desde a incrementação na exportação brasileira do açúcar e da carne bovina até a exibição do “capitalismo” chinês – tamanha a puerilidade das justificativas. Negaram, obviamente, quaisquer interesses pessoais, deslumbramentos com os novos postos públicos, ou atividade nociva que viesse a comprometer os interesses e a democracia nacionais.

Consta que até mesmo o presidente Jair Bolsonaro ficou surpreso com a viagem dos deputados de seu partido.

No entanto, como amadorismo costuma não funcionar por muito tempo, nossas futuras excelências parlamentares se esqueceram do vasto material que foi postado em diversas redes sociais. Lá encontramos o mais provável objetivo do tour: uma parceria com empresas chinesas de tecnologia, voltadas para o reconhecimento facial. Muito embora, depois, tenha sido descaradamente negado ou minimizado.

Como sabemos, a China usa dessa tecnologia para o controle social. O uso da ferramenta é perigosa e, se usada nos moldes chineses, não encontra espaço nas democracias ocidentais. Nossos viajantes trataram de refutar qualquer objetivo ilícito. Entretanto, até entrevista sobre um projeto de lei que seria apresentado para a implementação do tal reconhecimento um dos participantes já tinha dado. Tudo divulgado, impresso, gravado e à disposição dos brasileiros.

Com o desenrolar da peregrinação nas terras de Mao, a cada explicação dada ou apresentação de motivos sobre a viagem, mais tenebrosa ficava a situação.

O diletantismo e a ignorância se destacaram como agravantes da bizarrice. Ao invés de humildemente reconhecerem o erro e a precipitação na aceitação da oferta chinesa, os caipiras deslumbrados – com propriedade assim chamados – redobravam a arrogância e reafirmaram a profunda ignorância, orgulhosa e ‘patrioticamente’ ostentada: viajaram em nome do futuro Brasil.

A trupe de viajantes, em momento algum, reconheceu a gravidade do episódio, tratando de banalizá-lo completamente do ponto de vista geopolítico e moral, o que reforçou ainda mais o seu caráter oportunista. Teve jeca, digo, deputado, que disse ter a China um “socialismo light”. E, assim, foram apresentando um rol de imbecilidades na tentativa de justificarem o injustificável, ignorando a ferocidade do regime comunista chinês.

Certo é, caso o PSL tenha o mínimo de juízo, deverá expulsar a patota de seus quadros que, por mais certo ainda, encontrará acolhida em partidos como o PT ou PSOL.

Não é possível que pessoas tão incultas e, na melhor das hipóteses, despreparadas – que nem ao menos assumiram suas funções legislativas – sejam mantidas no partido, depois de cometerem tão grave e irresponsável erro. Urge lembrar que o PSL é o partido que promete outro rumo para nossa combalida e desacreditada política.

A serem mantidos como se nada tivesse acontecido, teremos a certeza que o PSL está condenado a ser apenas ‘mais um’ no mar da mediocridade que navega a política brasileira. Se pegarem o correto” biscoitinho da sorte chinês”, encontrarão o seguinte: um belo cartão vermelho para ser entregue a todos os oportunistas.

(Texto de Claudia Wild)

No vídeo abaixo, a demonstração de que realmente são meros e indecentes "farofeiros":

Publicado originalmente no jornal Hora Extra

Comentários