Porque o cadáver de Marielle tem mais valor para o PT do que o de Celso Daniel?

Em termos de projeção, não há como comparar a vereadora Marielle Franco com o prefeito Celso Daniel.

A rigor, a combativa vereadora só ficou conhecida nacionalmente após o seu trágico e lamentável assassinato.

O prefeito não. Era uma personalidade importante, foi um dos primeiros êxitos do PT em eleição majoritária, na sua primeira vitória eleitoral para a prefeitura de Santo André (1989/1993) e fez de sua segunda eleição (1997/2002) um importantíssimo trunfo para que o partido pudesse chegar ao comando do país.

Efetivamente, Marielle parece ter sido assassinada por milicianos, incomodados com a sua atuação na Câmara de Vereadores.

Nenhum partido político teve qualquer ligação na trágica morte da vereadora. É o que indicam as investigações.

Mesmo assim, a esquerda e o PT usam o episódio como troféu, lançando acusações irresponsáveis e criando conjecturas político-eleitorais.

Com Celso Daniel a história é completamente diferente. Uma investigação mais apurada poderia chegar a figurões do partido.

O prefeito foi morto porque a certa altura resolveu incomodar e atrapalhar os planos para o projeto maior.

Nesse momento, virou inimigo. Deu no que deu.

O cadáver, virou um problema.

Assim, é melhor não mexer...

Otto Dantas

Articulista e Repórter
otto@jornaldacidadeonline.com.br

Comentários