É guerra! Empresa que anunciar na Globo será boicotada pela população (Veja o Vídeo)

As massas não dormem. Sim estamos no meio de uma revolução pacífica, mas ativa, atenta, participativa e responsável.

É sobre isso que versa o atual cenário em que está inserida a Nação brasileira.

Tempos de mudanças. O movimento não começou hoje, nem vai acabar amanhã. O primeiro sinal foi em março de 2013 com o povo nas ruas. O ápice foi em 29 de outubro de 2018, com a eleição de Jair Bolsonaro, a renovação radical do congresso, dos governos e das casas legislativas estaduais.

Entretanto, a primeira vista, tal qual uma criança rebelde, as empresas do sistema Globo, tentam de todas as formas possíveis e imagináveis, sabotar o Brasil, contrariar, prejudicar, frustrar a vontade de quase 60 milhões de brasileiros (e de outros milhões que não votaram nas mudanças, mas que torcem pelo Brasil).

É inconcebível o que as emissoras da Globo vem fazendo, tentando desqualificar um governo que não tem sequer um mês. Mas não é rebeldia. Decididamente, não! É desespero. É tentativa de manter suas práticas de "enquadrar" governos e governantes, para sugar do Estado e de suas empresas, o suado dinheiro do contribuinte através do recebimento de verbas publicitárias esbanjadas em governos passados, aos milhões, para sustentar um grupo familiar e meia dúzia de protegidos seus, com lucros e ganhos estratosféricos como jamais vistos em nenhum outro lugar do planeta.

Dinheiro fácil. De rodo. Esse tempo acabou!

O novo governo avisou, antes de tomar posse, que a distribuição das verbas publicitárias seria equânime entre todas as emissoras. As empresas Globo, então, tentam constranger os governantes, para forçá-los a mudar de comportamento. Os reflexos já estão aparentes. E quais são? As massas perceberam a manobra. E provocar as massas não é um bom negócio.

O eleitor consome produtos e serviços. Revoltada a população evita o sistema Globo, que perde audiência. Ao perder audiência, perde receita publicitária. Agora, é hora de apertar ainda mais o torniquete. É tempo de uma campanha inteligente. Seguir o dinheiro, como disse o Ministro Sérgio Moro.

Muito simples: anunciou produtos ou serviços nos veículos Globo? Não me terão mais como consumidor. Seja lá quem for. De refrigerantes a sistema bancário. De produtos cosméticos a automóveis. Fez propaganda na Globo? Estou fora! Não vão mais ver o meu dinheiro.

Quero ver se o bicho pega, se essa meia dúzia de privilegiados não vai tomar pressão dos anunciantes. E mais, vão tomar um calor dos milhares de empregados das empresas Globo, que estão com seus empregos por um fio, para proteger os interesses de uma insignificativa minoria de privilegiados que vivem no luxo e na bonança. Artistas milionários entre eles...

A Globo tem valores mas precisa respeitar a vontade soberana do povo brasileiro e se adaptar a ela.

A liberdade de imprensa é um fundamento da democracia. O que não pode é essa prerrogativa ser desvirtuada em prejuízo do Brasil e em penitência de milhões de brasileiros.

Ou a Globo muda, ou vai fechar!

A primeira opção depende dela. A segunda está totalmente nas nossas mãos, ou na nossa carteira!

Assista ao vídeo com meu comentário no YouTube:

Luiz Carlos Nemetz

Advogado.Vice-presidente e Chefe da Unidade de Representação em Santa Catarina na empresa Câmara Brasil-Rússia de Comércio, Indústria e Turismo e Sócio na empresa Nemetz & Kuhnen Advocacia.
@LCNemetz

Comentários