Jean Wyllys, um zero à esquerda da esquerda. Quem irá sustentá-lo no exterior?

Sobre o repentino anúncio de mudança para outro país declinado pelo deputado federal Jean Wyllys, um comentário interessante foi publicado no Facebook de Eduardo de Alencar, demonstrando que Jean não significa absolutamente nada para a Esquerda Brasileira e questionando quem irá sustentá-lo no exterior. Veja abaixo:

A desistência de Jean Wyllys de ocupar o mandato pode querer dizer muita coisa. Sinceramente, o que me parece mais improvável é que seja pelas razões que alegou.
O deputado teve a pior votação de sua história política. Não era bem recebido em nenhum lugar fora da extrema esquerda que o elegeu. E virou uma caricatura ambulante de "oposição à esquerda" desde o impeachment, com gestos de subserviência ao petismo no melhor estilo de força auxiliar.

Além disso, não representa, de fato, mais do que um incômodo besta para qualquer governo. Não tem a sanha nem o ímpeto investigativo de um Freixo. Tampouco a capacidade de mobilizar muita gente. É um zero à esquerda da esquerda em termos de potencial.

Em compensação, pode ter aceitado o encargo de falso exilado com fins políticos. É mais do que provável que vá para o exterior na tentativa de repetir o feito de Arraes no passado, grande articulador da desmoralização do regime militar junto à comunidade internacional. A esquerda sabe que a guerra de narrativas muitas vezes começa de fora para dentro.

Nesse aspecto, há fortes chances de ser recepcionado por progressistas e radicais de esquerda, dispostos a comprar a tese de um proto-fascismo brasileiro. Essa turma já pagou micos maiores no passado.

De um jeito ou de outro, duvido que o Wyllys de fato tenha se retirado da política. No máximo, mudou de posição. Provavelmente a mando e sustentado por alguém. Em breve, saberemos.

da Redação

Notícias relacionadas

Comentários

Leia mais...

Mais em Opinião