Advogado que frequenta o STF de bermuda e tem 17 clientes na Lava Jato está frustrado como projeto de Moro

Excelente sinal. O festejado e milionário causídico Antonio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, desaprovou o projeto de Lei Anticrimes apresentado nesta segunda-feira (4) pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro.

Kakay é o homem que há poucos dias, em pleno horário de expediente, foi flagrado de bermuda perambulando pelos corredores do Supremo Tribunal Federal (STF). É íntimo da casa.

É também um dos advogados mais caros do Brasil, que sabe utilizar com rara maestria as brechas que a lei oferece em benefício de sua abastada clientela, preferencialmente políticos corruptos, como José Dirceu.

Veja o que disse Kakay:

“É absolutamente frustante o projeto apresentado pelo ex-juiz e atual Ministro. Um pacote só com uma promessa de recrudescimento da legislação penal. E castrador de uma série de direitos consolidados ao longo de séculos com lampejos humanistas. Se este projeto passa o que teremos é um aumento considerável na população carcerária e, como efeito óbvio, um enorme número de novos membros a serem recrutados pelo crime organizado e pelas organizações criminosas. Sem contar o aumento do número de pessoas pobres, nas periferias, que serão ainda mais ‘abatidas’ sob o manto da legalidade. Nenhuma preocupação com discutir uma política criminal e penitenciária. Resta-nos o Congresso Nacional.”

Espertalhão, se mostra preocupado com a pobreza. Mera conversa fiada.

Na realidade, ele percebe que sua principal técnica de trabalho ficará essencialmente prejudicada. Kakay é especialista em ‘protelar’.

Portanto, se Kakay desaprovou, o projeto realmente deve ser muito bom.

Convém que a sociedade fique atenta para que o Congresso Nacional não desvirtue o propósito, como já acenou o próprio Kakay.

Fonte: O Antagonista

Amanda Acosta

Articulista e repórter
amanda@jornaldacidadeonline.com.br

Mais de Amanda Acosta

Comentários

Leia mais...

Mais em Direito e Justiça