Imprensa petista investe contra Toffoli e requenta matéria sobre “máfia" e “amante’

Parece que a ordem no PT é atacar o ministro Dias Toffoli. Suas últimas atitudes contra os interesses do presidiário Luiz Inácio Lula da Silva o colocam na condição de “traidor”.

O maior site petista, Brasil 247 (2+4+7=13) requentou neste domingo (11) uma denúncia da Revista Veja, de 2012, que envolve o ministro na chamada “Máfia do DF” e numa relação amorosa promíscua com a advogada Christiane Araújo de Oliveira.

Segundo o 247, Christiane era “queridinha dos políticos” e teria revelado como trocou informações por sexo.

Diz a matéria requentada:

“Escândalos com autoridades do Distrito Federal viraram rotina. Surgem personagens, figuras reaparecem e a história é sempre a mesma: dinheiro, mulher e poder. Dessa vez o pivô das acusações é a advogada Christiane Araújo de Oliveira. Reportagem da revista Veja conta que a alagoana, evangélica e de família humilde, considerada a ‘rainha’ dos homens mudou-se para Brasília e passou a trabalhar para representantes do governo em 2007, com muito sexo e tráfego de informações políticas.

Depois de detalhar relatos de aventuras sexuais com poderosos ao Ministério Público e à Polícia Federal, a advogada revelou o teor de dois depoimentos feitos em 2010 à revista Veja, na edição publicada neste sábado (11). A reportagem teve acesso a oito horas de gravação em áudio em vídeo, na qual “Christiane revelou que mantinha relações íntimas com políticos e figuras-chave da República”.

As farras que envolvem, entre outros, o ex-delegado Durval Barbosa – delator do esquema de corrupção que derrubou o então governador José Roberto Arruda, em 2009 –, incluíam festas de arromba e viagens em aviões oficiais. O objetivo, um só: aproveitar a condição de amante e amiga íntima dos figurões para arrancar informações e conseguir favores em benefício da quadrilha comandada por Durval, responsável por desviar mais de R$ 1 bilhão dos cofres públicos.

As ações da queridinha dos corruptos não se limitavam ao governo local. Em depoimento, a advogada também relatou que manteve um relacionamento com o ministro do Supremo Tribunal Federal José Antônio Dias Toffoli, na época em que ele ocupava o cargo de advogado-geral da União, no governo Lula.

“Christiane afirma que em um dos encontros entregou a Toffoli gravações do acervo de Durval Barbosa”, diz a matéria da Veja. Objetivo do dossiê era deflagrar um escândalo para eliminar a oposição nas eleições de 2010.

Segundo a advogada, ela fez até viagem em um jato oficial do governo, fruto de cortesia de Toffoli.

O dinheiro, as informações privilegiadas e os agrados íntimos aconteciam debaixo de um único teto: em um apartamento onde Durval armazenava caixas com quantias absurdas gastas com a compra de políticos. O local também sediou gravações comprometedoras de várias transações financeiras.

Toffoli desmente a versão da advogada. Em nota enviada à Veja, o ministro negou todas as acusações. “Nunca recebi da Dra. Christiane Araújo fitas gravadas relativas ao escândalo ocorrido no governo do DF”, relatou. Ele também nega ter frequentado o apartamento citado pela advogada ou solicitado o jato oficial. Toffoli bateu o pé e afirmou que só teve um encontro com Christiane, quando era chefe da AGU, durante audiência formal.

A reportagem mostra que a ligação de Christiane com o PT não termina com as aventuras sexuais entre a advogada e membros do governo. Ela atuou no comitê central da campanha de Dilma Rousseff. Entre as funções, a advogada era encarregada da relação com as igrejas evangélicas – ela é filha de Elói Freire de Oliveira, fundador da igreja Tabernáculo do Deus Vivo e colega de muitos políticos de Brasília. Após o escândalo de envolvimento na Máfia das Sanguessugas, Christiane foi exonerada.

Os depoimentos da advogada queridinha dos homens podres da política estão em posse da Polícia Federal para serem anexados aos autos da Operação Caixa de Pandora. Segundo a matéria da Veja, porém, curiosamente nenhuma das revelações de Christiane faz parte oficial dos autos da investigação.

da Redação

Comentários

Leia mais...

Mais em Política